Fornecedora do Vasco promete recorrer à Justiça

Márcia Vieira, Jornal do Brasil

RIO - A Champs deve entrar na Justiça tentando impedir que o Vasco assine contrato com uma nova fornecedora de material esportivo. A decisão foi tomada após a diretoria vascaína recusar uma proposta milionária da empresa. Segundo uma fonte, a fornecedora se comprometeu a pagar de uma só vez R$ 5,6 milhões: R$ 1,8 milhão dos atrasados e o adiantamento das sete mensalidades restantes do ano, R$ 3,8 milhões.

Na última segunda-feira, a proposta foi vetada pelos dirigentes do clube. Dois deles votaram a favor, mas não foram maioria. Nos últimos 15 dias, a empresa vendeu 30% de suas ações ao empresário paulista e presidente da Fiesp, Paulo Skaf, por cerca de R$ 20 milhões. Dinheiro que se juntou ao de suas contas bancárias que foram desbloqueadas pela Justiça após uma denúncia de lavagem de dinheiro e formação de quadrilha que está sendo investigada pelo Ministério Público de São Paulo.

Há quem diga que a empresa teria hoje em caixa cerca de R$ 50 milhões. Dinheiro mais do que suficiente para regularizar todos os seus problemas de distribuição. Para fazer valer os seus direitos, a Champs contratou um renomado escritório de advocacia no Rio para entrar com ação judicial nos próximos dias. Uma de suas alegações é de que não estaria com dois meses de atraso já que o contrato teria sido assinado no início de janeiro e a primeira mensalidade paga no dia 10 daquele mês. Indiferente a isso, o presidente Roberto Dinamite informou ontem que o clube vai anunciar na próxima semana a nova fornecedora. Nos jogos da semifinal, o Vasco vai estampar a marca Ale nos uniformes cruzmaltinos. Os valores da negociação não foram divulgados.