Jogos de 2016: Pelé, trunfo para obter vitória inédita

Hilton Mattos, Jornal do Brasil

RIO - Pelé foi o ponto alto da visita da comitiva do COI às instalações do Rio. Seguindo o protocolo do Comitê Olímpico Internacional, os observadores conheceram os locais previstos para os Jogos, o percurso e as vias de acesso entre as sedes. No Maracanã, o Rei do Futebol apareceu de surpresa, bateu bola com a presidente da comissão, a marroquina Nawal El Moutawakel, e usou seu prestígio para seduzir os inspetores.

Um a um, os membros tinham o nome anunciado no sistema de som e no placar eletrônico do estádio antes de adentrar o gramado. Pelé foi o décimo (numa referência à camisa 10, imortalizada por ele), causando espanto nos inspetores. Controlando uma bola, apareceu sorridente e foi aplaudido.

Ele e Moutawakel sugeriram uma disputa de pênalti, negada pela marroquina quando o Atleta do Século disse ela iria para o gol. Os dois se contentaram em fazer tabelas. No fim da cerimônia, Pelé contou suas impressões da visita.

Olha, vários deles...três me deram cartão (pessoal) porque prometeram voltar ao Rio numa outra data para passar férias. Eles adoraram o Brasil, isso reforça a nossa candidatura revelou Pelé.

A comitiva deixa o Rio domingo. Antes, porém, concede entrevista coletiva falando sobre o balanço da visita. Desde segunda-feira, 13 membros do COI estão hospedados no Copacabana Palace analisando os 17 temas do dossiê de candidatura da cidade para os Jogos 2016. Além do Rio, Tóquio (Japão), Chicago (EUA) e Madri (Espanha) são cidades postulantes.

Área da Barra traz novidades

A inspeção é técnica. Com base no dossiê entregue em fevereiro deste ano, a comitiva faz um resumo dos estágios em que estão as promessas de candidatura. O anúncio oficial será no dia 2 de outubro, em Copenhague, na Dinamarca.

A visita começou de manhã. Aproveitando o feriado e o trânsito livre, não houve problemas de deslocamento. O Forte de Copacabana foi a primeira parada. O complexo abriga também a Lagoa Rodrigo de Freitas, o Parque do Flamengo e a Marina da Glória. Oito provas olímpicas e cinco paraolímpicas serão realizadas nestas instalações, segundo o dossiê.

Na sequência, conheceram o Estádio de Remo da Lagoa e o Parque Olímpico, na região da Barra da Tijuca. A novidade para 2016, diferentemente da Pan-2007, será a criação do Centro Olímpico de Treinamento (COT). Haverá a manutenção do Parque Aquático Maria Lenk, da Arena Multiuso e do Velódromo no local.

O projeto para 2016, no entanto, prevê a construção do Estádio Aquático Olímpico, de um complexo com quatro quadras para basquete, handebol, judô e lutas. E ainda dois campos para hóquei (substituídos na Paraolimpíada por futebol de 5 e de 7), 10 quadras de tênis (três para jogos e sete para treinos) e as instalações para a mídia.

O pavilhões do Riocentro receberão boxe, tênis de mesa, badminton, e levantamento de peso.

Da Barra, os integrantes do COI seguiram pela Linha Amarela para o Estádio Olímpico João Havelange, no Engenho de Dentro, Zona Norte do Rio. Lá foi servido almoço. No cardápio, peixe ao molho de camarão, carne com queijo coalho e arroz de coco. O caqui foi a fruta mais disputada na sobremesa.

À tarde, a comitiva se dividiu em duas partes para conhecer a região de Deodoro, Maracanã, Maracanãzinho, Sambódromo e Marina da Glória.

A presença deles aqui me deixou emocionado. Os membros do COI ficaram bem impressionados com tudo o que viram na cidade. Chegou a vez de o Brasil sediar uma Olimpíada disse Pelé.