A candidatura é da nação, afirma Lula

Renata Machado, Jornal do Brasil

RIO - Principal garoto-propaganda da candidatura do Rio aos Jogos Olímpicos de 2016, o presidente Lula está otimista em relação ao lobby que vem fazendo em suas reuniões pelo mundo. Segundo ele, esta é a primeira vez que a candidatura carioca a cidade já concorreu outras duas vezes é sólida e trabalhada com o apoio efetivo do país.

Em coletiva realizada no Copacabana Palace, antes do jantar com os integrantes da comissão de avaliação do Comitê Olímpico Internacional (COI) no Morro da Urca, o presidente explicou que o ministro Celso Amorim, das Relações Exteriores, tinha como prioridade falar da candidatura do Rio em suas reuniões com chefes de Estado.

Antes, nas duas candidaturas anteriores (para os Jogos de 2004 e de 2012), era coisa da cidade. O prefeito quer fazer? Então concorre. Agora não, a candidatura é da nação disse Lula. Para nós, concorrer e vencer essa disputa é uma autoafirmação continental e nacional.

Em suas viagens, o próprio presidente também fez muito lobby, inclusive com os comandantes de países concorrentes na disputa: EUA, com Chicago; Espanha, com Madri; e Japão, com Tóquio:

Hoje é muito mais fácil encontrar com chefes de Estado do que 15 anos atrás. Já conversei com alguns que falaram: Também estou concorrendo . Tudo bem, vamos disputar o primeiro turno tranquilamente. Mas tenho certeza de que, eles não ganhando, vão votar na gente.

Listando os motivos do apoio dos adversários, Lula disse que o Rio receberia o voto do país do presidente Obama porque, entre as candidatas, só o Brasil faz parte da Cúpula das Américas. No caso da Espanha, porque o Brasil faz parte da Cúpula Ibero-Americana, além do fato de vários empresários espanhóis investirem aqui.

Eles até ajudaram a fundar o meu Corinthians brincou Lula. Vou encontrar o José Luis Zapatero (primeiro-ministro da Espanha) e com o rei Juan Carlos e vou pedir o apoio.

Os votos dos japoneses viriam para a candidatura carioca pelo número de descendentes deles no país, disse o presidente Lula.

É um dever e um direito da América do Sul e da América Latina ter essa Olimpíada. Acabou o tempo em que o Brasil era tratado como país de segundo escalão. Somos de primeira classe.

Para provar que o Brasil é capaz de realizar os Jogos, o presidente usou o atual momento da economia mundial. Segundo ele, essa crise chegou por último aqui e que o país também será o primeiro a sair dela.

Na crise, provamos que temos o melhor sistema financeiro garantiu.

Além disso, Lula comparou a dúvida dos brasileiros quanto à capacidade do Rio de sediar os Jogos com a desconfiança que o povo tinha com ele.

Quantos anos lutei para ser presidente? questionou. O Brasil fará uma Olimpíada para gringo nenhum botar defeito.