Teto e fim do reabastecimento na Fórmula 1

Jornal do Brasil

RIO - A Federação Internacional de Automobilismo anunciou, nesta quinta-feira, a implementação de um teto orçamentário opcional de 40 milhões de libras (R$ 128,8 milhões) para as equipes a partir do Mundial de 2010. Além disso, a entidade decidiu acabar com o reabastecimento durante as corridas, que vigora desde 1994. Caso a escuderia opte pelo teto, receberá vantagens técnicas e poderá testar seus carros durante todo o ano. A quantia não inclui o pagamento do salário dos pilotos, ao contrário dos planos iniciais da FIA.

Em 2010, o teto não vai incluir o custo com os motores. Uma comissão de custos irá monitorar as equipes e não poderá ter relação com nenhuma delas.

A entidade também anunciou que 13 equipes serão aceitas para o próximo ano, aumentando em três o número atual. Dessa maneira, a FIA tenta fazer o grid aumentar de 20 para 26 carros, número que, por muitos anos, foi padrão na categoria.

As escuderias que pretendem ingressar na F 1 como a USGPE (americana), Prodrive (do ex-chefe da BAR David Richards) e a iSport (da GP2) precisam se inscrever até o dia 29 de maio.