Atletas ajudam na elaboração do dossiê carioca

Renata Machado, Jornal do Brasil

RIO - Apoio governamental, o Rio já propagandeou que tem. Nesta quarta-feira, no primeiro dia de sabatina da comissão de avaliação do Comitê Olímpico Internacional (COI), o comitê de candidatura da cidade tratou de exaltar a união com os principais envolvidos nas Olimpíadas e Paraolimpíadas: os atletas. Tanto que na primeira parte da apresentação à comitiva, formada por 13 pessoas, três esportistas estiveram presentes.

Isabel Swan, bronze na vela nos Jogos de Pequim-2008; Daniel Dias, nadador paraolímpico que conquistou nove medalhas nos Jogos chineses, sendo quatro de ouro; e Adriana Behar, duas vezes medalhista de prata, em Sydney-2000 e em Atenas-2004, discursaram no salão do Copacabana Palace para mostrar que o trabalho conjunto com o comitê é um trunfo da candidatura carioca.

Temos uma comissão de atletas trabalhando com a gente e isso facilita muito, porque eles sabem o que é melhor e o que precisam nos locais de competição explicou o diretor de esportes do Comitê Rio-2016, Agberto Guimarães. Quando você vai até eles, pergunta e debate, isso estreita o relacionamento e minimiza os problemas que poderíamos ter.

Nesta quarta, sete dos 17 temas abordados no dossiê de candidatura foram apresentados à comissão em reuniões durante todo o dia. Adriana Behar, que participou da apresentação sobre a Vila Olímpica e Paraolímpica, aprovou a performance do time brasileiro.

Ficamos muito satisfeitos, porque as apresentações foram boas e apresentamos os nossos sonhos de poder realizar uma Olimpíada aqui. A oportunidade de nós, atletas, estarmos fazendo parte da elaboração do plano foi muito boa. Participávamos das reuniões e eles sempre perguntavam o que queríamos.

Por fazer parte do projeto e defender o sonho de ver uma Olimpíada em seu país, os atletas também souberam defender a candidatura carioca com unhas e dentes. Na entrevista coletiva, Adriana não pensou duas vezes ao responder a um jornalista americano sobre um dos principais desafios do Rio para ser eleito sede dos Jogos. A pergunta sobre o tempo de locomoção entre a Vila e os locais de competição, devido às distâncias entre eles e ao trânsito intenso da cidade, foi rebatida de pronto.

Tenho certeza de que temos um plano de tráfego eficiente e capaz de viabilizar rapidamente o transporte dos atletas disse a ex-jogadora de vôlei de praia, comparando com outras duas edições passadas. Em Atenas levávamos 50 minutos da Vila até a o local de competição e em Sydney ficava a 1h30 da arena.

Na apresentação, integrantes do comitê Rio-2016, autoridades e atletas enalteceram a beleza natural da cidade e os benefícios que ela proporciona. Um deles seria a oportunidade dada a esportes como vela e remo, geralmente disputados em locais distantes ou em diferentes municípios, de serem realizados dentro da cidade. No caso, seriam na Marina da Glória e Lagoa Rodrigo de Freitas, respectivamente.

No projeto apresentado, seriam 34 locais de competição, sendo 21% temporários, 26% construídos e 53% já prontos. Estes, porém, precisariam passar por melhorias.

Temos 53% das instalações prontas, mas todas elas sofrerão algumas adaptações ou melhorias para que fiquem do jeito que queremos explicou Agberto.