Lippi sofre pressão por ausência de Cassano na seleção italiana

REUTERS

ROMA - O técnico da seleção italiana, Marcello Lippi, recusou-se a explicar por que voltou a deixar o atacante da Sampdoria Antonio Cassano de fora das próximas partidas da equipe nas eliminatórias para a Copa do Mundo de 2010, apesar do bom momento vivido pelo jogador.

Cassano, de 26 anos, ficou de fora da convocação de Lippi para os jogos contra Montenegro, no sábado, e Irlanda, em 1º de abril, apesar dos problemas encontrados pelo técnico para montar o ataque da Itália.

- Vocês sabem que eu só falo de jogadores que estão aqui - disse Lippi, em entrevista coletiva, após o primeiro treino da Itália para os jogos do Grupo 8, em Florença, nesta terça-feira.

- Não tenho que dar explicações para as minhas decisões. Tenho as minhas convicções e não tenho que dar motivos. E isso não é porque sou arrogante - acrescentou.

Cassano, ex-jogador da Roma e do Real Madrid, tem uma reputação de causar problemas dentro e fora de campo, mas amadureceu muito nas últimas duas temporadas na Samp, o que levou a mídia italiana a defender sua convocação.

Ele esteve na seleção treinada por Roberto Donadoni que foi à Euro 2008, mas Lippi o mantém longe da equipe desde então, assim como o atacante da Juventus Alessandro Del Piero, que também tem o apoio da mídia e da torcida.

O atacante Giampaolo Pazzini, companheiro de Cassano na Samp e convocado por Lippi pela primeira vez para as próximas partidas, defendeu o treinador. - É mais fácil marcar gols graças aos passes de Cassano, mas eu também fiz muitos gols em jogadas minhas - disse Pazzini, que marcou oito vezes em oito jogos do Campeonato Italiano desde que foi contratado em janeiro da Fiorentina.