Kléber volta a ser expulso, mas Cruzeiro vence e dispara

Portal Terra

SÃO PAULO - O Cruzeiro ainda não perdeu em 2009, mas também segue com problemas de indisciplina dentro de campo, principalmente com o atacante Kléber. O camisa 25 voltou a fazer uma boa partida no ataque celeste, mas foi expulso novamente durante a vitória do Cruzeiro por 1 a 0 sobre o Universitario Sucre, nesta quarta-feira, pela Copa Libertadores. O resultado faz o elenco mineiro disparar na liderança do Grupo 5.

Em dois jogos pelo Cruzeiro na Libertadores, Kléber foi expulso duas vezes. Quando o Cruzeiro venceu o Estudiantes por 3 a 0, o atacante marcou dois gols e levou o vermelho. Nesta quarta, em La Paz, aos 22 minutos do segundo tempo, Kléber agrediu o adversário com um chute, o árbitro viu e o atacante levou o cartão vermelho direto.

Em apenas três partidas, além de Kléber, outros dois jogadores já foram expulsos de campo na competição. Wellington Paulista e Fabrício levaram o vermelho diante do Deportivo Quito e desfalcaram o Cruzeiro contra o Sucre.

Por outro lado, a partida desta quarta fez o técnico Adílson Batista entrar para a história do clube mineiro. Foi a 13ª vez que o treinador dirigiu a equipe na Libertadores, igualando assim a Zezé Moreira e Paulo Autuori, campeões em 1976 e 1997, respectivamente. Adílson Batista já era dono da marca de ter sido o único treinador a comandar o Cruzeiro em duas edições diferentes da Libertadores. O clube mineiro tem tradição no torneio e disputa a competição sul-americana pela 11ª vez em sua história.

Mas não foi somente o treinador que alcançou uma marca histórica no Cruzeiro. O meia Wagner vestiu a camisa celeste pela 200ª vez na carreira. O camisa 10 chegou ao Cruzeiro em 2004, vindo do América-MG, clube onde foi revelado. Segundo o site oficial do clube, a primeira partida do meia pelo Cruzeiro aconteceu contra o Guarani. O jogador começou no banco de reservas do técnico Marco Aurélio e entrou no lugar do lateral-esquerdo Leandro. Wagner já marcou 34 gols com a camisa celeste.