Luxemburgo responde e diz que torcida foi 10ª no Carnaval paulista

Portal Terra

SÃO PAULO - Após ouvir críticas da torcida depois de perder a segunda partida na Copa Libertadores, na noite desta terça-feira, para o Colo Colo por 3 a 1 em pleno Palestra Itália, o técnico palmeirense Vanderlei Luxemburgo respondeu aos gritos de: "Chega de historinha, Luxemburgo só ganha o Paulistinha".

- Significa que eu tenho que continuar trabalhando e que isso faz parte do futebol. Eles foram reclamar quando não tinha nada acontecendo. E essa é a mesma torcida que vai e fica em décimo no Carnaval - disse o treinador, referindo-se à Mancha Verde, que além de torcida organizada do Palmeiras é uma escola de samba do Grupo Especial de São Paulo.

Luxemburgo voltou a afirmar que apenas parte da torcida vaiou o time e o próprio treinador.

- O grito ficou apenas em um setor da torcida. O time é líder da competição (Campeonato Paulista). Temos que saber dividir as coisas. De que setor vem essa cantiga? Não vem do Palestra inteiro. Tem que falar parte da torcida, para ficar bem caracterizado. Não fui vaiado pela torcida toda do Palmeiras. Não vi o estádio cantar isso para mim. Não vi minha equipe ser vaiada.

Luxemburgo voltou a afirmar que o Palmeiras tem um time jovem e que isso às vezes faz a diferença dentro de campo, principalmente quando se joga uma competição como a Copa Libertadores.

- O time começou bem e de repente caiu. Libertadores é um aprendizado. Hoje o time mereceu a derrota, contra a LDU não (perdeu por 3 a 2). Não tenho questionamento com o juiz, mas sabemos que a competição é diferente. Temos que aprender a jogar a Libertadores que é diferente das outras competições - afirmou.

Único a marcar com a camisa do Palmeiras nesta terça-feira, Keirrison saiu de campo reclamando da insistência pelas bolas aéreas, mas Luxemburgo afirmou que esse não foi o principal motivo da derrota.

- Não dá para questionar isso. Sobre a bola aérea. Faltou tudo, como ganhar o jogo. Não tenho que ficar buscando o culpado. Deixa a culpa só com o Luxemburgo que está tudo bem - disse o comandante.