Estrelas do críquete estão preocupadas após atentado

Portal Terra

RIO DE JANEIRO - O atentado que matou oito integrantes da seleção do Sri Lanka de críquete e deixou mais sete feridos, na cidade paquistanesa de Lahore, ligou o alerta em estrelas e autoridades do esporte, que temem também ser vítimas de cenas tristes como a ocorrida na última terça-feira.

Um grupo de 12 terroristas atacou o ônibus da delegação cingalesa com foguetes, granadas e armas automáticas perto do estádio Gaddafi, onde a equipe do Sri Lanka disputaria um amistoso contra a seleção do Paquistão, informou o chefe de polícia de Lahore, leste do país, Habib-ur Rehman.

Figura mais importante do mundo no esporte, Haroon Lorgat, chefe-executivo do Conselho Internacional de Críquete (ICC), admitiu que a situação no esporte é grave. "Assim que você quebra a barreira uma vez, as coisas mudam para sempre".

O capitão da Inglaterra, Andrew Strauss, disse que se sente ameaçado.

Um argumento que sempre foi usado foi que jogadores de críquete nunca foram alvos. Agora isso provou o contrário. É uma daquelas coisas que nunca nos sentimos vulneráveis até que acontece um atentado desses. Isso faz você se sentir sempre vulnerável agora. Foi um dia horrível para as pessoas envolvidas, para as vítimas, para as famílias e um dia terrível para o críquete afirmou Strauss.

O projeto do Paquistão ser sede de parte dos jogos da Copa do Mundo de 2011 é pequena, após o presidente da ICC, David Morgan, admitir que "as coisas vão mudar drasticamente" com relação as 16 partidas marcadas para o país, incluindo a semifinal.

Os responsáveis pelo críquete na Inglaterra e País de Gales disseram que a segurança será revista antes de um torneio internacional que será disputado em junto.

A Inglaterra, inclusive, pode ser uma casa temporária para os amistosos da seleção paquistanesa.