Bauru recebe Araraquara pela oitava rodada do NBB

JB Online

BAURU - No duelo de técnicos ex-jogadores Guerrinha vai enfrentar Chuí. Jorge Guerra, ex-armador da seleção brasileira campeã no Pan-Americano de Indianápolis, em 1987, comandará o GRSA/Itabom/Bauru, contra Marco Aurélio Pegolo dos Santos, o Chuí, que também já esteve em quadra pelo Brasil e dirige o Lupo/Araraquara. A partida será nesta terça-feira, às 19h, no ginásio da Associação Luso Brasileira de Bauru, válida pela oitava rodada do Novo Basquete Brasil (NBB).

O GRSA/Itabom/Bauru tem 7 pontos em cinco jogos (com duas vitórias e três derrotas). O Lupo/Araraquara soma 9 pontos em seis jogos (com três vitórias e três derrotas).

Chuí deixou as quadras aos 40 anos atuava por Franca para ser técnico, em 2004. Guerrinha era armador da equipe que entrou para a história do basquete brasileiro. Ao lado de ídolos como Oscar e Marcel, Guerrinha estava naquela final histórica em que o Brasil bateu o time americano. Passou a ser técnico em 1997, pelo então Polti/COC, de Ribeirão Preto.

Agora, ambos usam a experiência como ex-jogadores para investir na nova carreira. E têm a mesma origem: Franca.

- Quando cheguei para jogar em Franca, o Guerrinha era o capitão do time. Também jogamos juntos na seleção. Como técnico, ele está uns cinco anos na minha frente, tem mais experiência, mais tempo rodado - afirma Chuí, de 45 anos. - Temos valores em comum e a rivalidade é saudável.

Guerrinha, de 49 anos, disse que se sente honrado por ver dois ex-jogadores atuando como técnico.

- É bom ver os valores que aprendemos agora aplicados em dois projetos diferentes, em Araraquara e Bauru. São quatro as equipes no NBB que tem técnicos que passaram pelo basquete de Franca. Além de mim e o Chuí, o João Marcelo, do Amil/Paulistano e o Hélio Rubens, do Vivo/Franca.

Chuí espera um confronto difícil para o Lupo/Araraquara nesta terça-feira.

- Jogamos um amistoso antes do início do NBB e perdemos. Mas agora o time está num outro momento, motivado pelas três últimas atuações - observa.

Guerrinha está feliz por dirigir o GRSA/Itabom/Bauru em casa.

- Nosso time joga com muito mais qualidade, se sente mais forte, intenso, dentro da nossa quadra. Nosso time ainda sofre quando está fora de casa. Com exceção de equipes grandes, acostumadas a atuar fora, como o Flamengo, acho que para muitos outros esse é um fator que pesa e muito - acentua o técnico Guerrinha.

Além de atuar em casa, Bauru tem o norte-americano Larry, até agora o melhor no aproveitamento dos arremessos de dois pontos, com 37 pontos, média de 7,4 por partida.