Wright: "A Federação do Rio chegou ao fundo do poço"

Júlio Calmon, Jornal do Brasil

RIO - Último árbitro do Rio de Janeiro a apitar em uma Copa do Mundo, em 1990, José Roberto Wright foi quem ministrou a aula inaugural do curso de arbitragem. Entre um conselho e outro, o ex-árbitro tentou mostrar o caminho para que o atual estudante não se perca no confuso mundo do futebol.

Vocês não podem largar seus empregos. Uma hora você está ganhando dinheiro, na outra não está mais conta Wright.

Entre lembranças de polêmicas históricas de que participou, como os jogos entre Flamengo e Atlético Mineiro, pela Libertadores de 1981, quando terminou a partida depois de ter expulsado cinco jogadores do time alvinegro, Wright deixa passar alguns casos controversos. Ele diz que já atrasou um jogo para atender um pedido de uma emissora de TV, dizendo que a rede de um dos gols estava furada. Sobre a pressão da torcida, é enfático:

Vocês precisam de coragem para enfrentar o público. Se tiver só um torcedor na arquibancada, ele irá falar mal do árbitro prossegue o ex-juiz.

Wright, no entanto, elogia um novo árbitro carioca, que pode ter sucesso em um futuro próximo. Trata-se de Felipe Gomes, designado para apitar a semifinal entre Flamengo e Resende.

Acho que a Federação do Rio chegou ao fundo do poço. É preciso renovação. Como o Felipe Gomes, são poucos hoje que se destacam na arbitragem estadual.