Técnico Dunga quer supremacia brasileira

Portal Terra

LONDRES, INGLATERRA - Ao contrário dos jogadores brasileiros, que adotaram o Emirates Stadium como segunda casa da Seleção, o técnico Dunga tem uma visão diferente de Londres e do estádio do Arsenal, palco do amistoso desta terça-feira, contra a Itália, às 17h45 (de Brasília).

O comandante gostaria mesmo é de atuar diante da torcida, o que é cada vez mais raro já que a base da Seleção atua nos grandes clubes do futebol europeu. O curioso é que ele foi vaiado nas três últimas apresentações no Brasil (empate sem gols com Argentina, Bolívia e Colômbia, pelas Eliminatórias para a Copa do Mundo de 2010).

Me sinto em casa no Brasil. Aqui sou apenas um estrangeiro. Gostamos mesmo é de jogar perante o nosso público, em nosso país falou o técnico.

Mas a tendência é o Brasil atuar cada vez mais na Europa, deixando apenas algumas partidas das Eliminatórias para os seus domínios. No Emirates, já foram três amistosos: vitórias contra Argentina (3 a 0) e Suécia (1 a 0), além da derrota para Portugal (2 a 0).

Em Londres, estará em jogo a importância de começar a temporada 2009 com o pé direito. Dunga sabe muito bem disso. Foi pressionado no ano passado, quando a Seleção enfrentou uma série de dificuldades, mas fechou em alta após a goleada por 6 a 2 contra os portugueses, no Gama.

O jogo desta terça serve como mais um teste para o treinador, que lamentou as ausências de Kaká, Anderson e Luís Fabiano, e disse que o amistoso "não se compara a uma Copa do Mundo".

O técnico Marcelo Lippi, do outro lado, tratou a partida como histórica, e disse que "exibição é circo".

Dunga esteve em campo na última partida entre brasileiros e italianos. Como capitão da equipe, participou do empate por 3 a 3 no Torneio da França de 1997, competição que serviu de preparação para o Mundial do ano seguinte, no qual o Brasil ficou com o vice-campeonato.

O empate mostra bem o equilíbrio entre as duas potências do futebol mundial, que totalizam nove conquistas de Copa do Mundo (cinco do Brasil e quatro da Itália, atual campeã). Foram 12 partidas na história, com cinco vitórias para cada lado e dois empates, além de 19 gols marcados por cada seleção.

Brasil:

Júlio César, Maicon, Lúcio, Juan e Marcelo; Gilberto Silva, Josué, Elano e Ronaldinho; Robinho e Adriano. Técnico: Dunga

Itália:

Buffon, Zambrotta, Cannavaro, Legrottalie e Grosso; De Rossi, Perrota, Pirlo e Camoranesi; Di Natale e Luca Toni. Técnico: Marcelo Lippi

Local: Emirates Stadium, em Londres

Horário: 17h45 (de Brasília)