Rexona já está em SC para estréia no segundo turno da Superliga

JB Online

RIO DE JANEIRO - Sem pausa para descansar, depois de conquistar o título do terceiro turno da Superliga Feminina de Vôlei, o Rexona-Ades seguiu para Santa Catarina, para enfrentar o Cativa/Pomerode, nesta quarta-feira, às 20 horas, no Ginásio Ralf Knaesel, em Pomerode. Neste turno, o time terá apenas dois dos cinco jogos fora de casa.

Sob o comando do técnico Bernardo Rezende, o Rexona-Ades venceu os três primeiros turnos, numa campanha que soma apenas duas derrotas. O time lidera a Superliga com 38 pontos, quatro à frente do segundo colocado, o Finasa/Osasco.

Mas a vantagem não é motivo de tranquilidade para o time do Rio de Janeiro, que segue treinando forte para o último torneio antes do playoff.

- O próximo turno não é decisivo, porque vai zerar tudo no playoff. O Rexona tem feito uma boa temporada, mas ainda tem que crescer muito. A única facilidade que podemos ter neste quarto turno é jogar mais em casa, o que traz uma comodidade maior para a gente - apontou Bernardinho.

As gêmeas Michelle e Monique, ambas ponteiras, concordam que é necessário atenção nesta fase.

- Não podemos relaxar neste último turno, temos de aproveitar essa reta final para ganhar mais ritmo para o playoff - disse a atacante Michelle, de 22 anos e 1,78 m.

- Como é o último torneio, todos os times virão arriscando tudo. Todo cuidado é pouco - emendou Monique, apontando a defesa como o grande diferencial do Rexona-Ades.

Para a levantadora Dani Lins, 24 anos e 1,85 m, que ganhou o Troféu Viva Vôlei por seu desempenho na última partida, o fato de jogar com os times da mesma chave do Rexona-Ades pode trazer um pouco mais de tranquilidade.

- Mas precisamos ficar focadas. Agora é treinar bastante e se concentrar neste turno - advertiu a atleta.

A necessidade de concentração e treino também faz parte do discurso da líbero Fabi, 28 anos e 1,69 m, que está animada com os jogos no Rio de Janeiro.

- O Rexona fez um trabalho constante, nessa temporada, estava muito bem no primeiro turno, depois teve um pouco de dificuldade no segundo e se recuperou no terceiro. O nosso grupo depende da gente estar bem consciente. E a expectativa de jogar mais em casa é sempre boa, vamos ter a nossa torcida do nosso lado, para dar uma animada a mais - analisou Fabi.

Nos próximos jogos, o Rexona-Ades enfrentará em casa o Mackenzie/Cia do Terno, o Vôlei Futuro e o São Caetano/Blausiegel. Apenas na última rodada voltará à Santa Catarina para o confronto com a Brasil Telecom.