Morte de Helio Gracie causa comoção às vésperas do UFC

Portal Terra

LAS VEGAS, EUA - A morte de Helio Gracie, na última quinta-feira, também foi sentida em Las Vegas, onde neste sábado será realizado o Ultimate Fighting 94. Gracie não fez carreira no vale-tudo, mas foi o responsável pelo desenvolvimento do jiu-jitsu, estilo de luta que norteia os brasileiros que se arriscam na modalidade.

Tão logo sua morte foi confirmada no Brasil, Gracie virou assunto obrigatório nas entrevistas que antecedem as lutas. Não só pela sua carreira, mas por conta da importância que o sobrenome ganhou no mundo da luta com a trajetória de seus nove filhos no esporte.

Rorion Gracie, por exemplo, foi um dos fundadores do Ultimate Fighting Championship (UFC), enquanto seu irmão Royce é considerado um dos melhores lutadores que já pisaram o octagon (arena onde são realizadas as lutas).

O Helio Gracie foi importante para o desenvolvimento do vale-tudo. Se não fosse os Gracies, não teríamos este espaço que temos hoje aqui nos Estados Unidos afirmou Lyoto Machida, que enfrentará o compatriota Thiago Silva neste sábado.

Na mesma linha, Thiago lembrou que sem o jiu-jitsu o Brasil dificilmente teria a força que tem o vale-tudo. Os brasileiros são conhecidos pela excelência na execução do estilo na arena.

Fiquei chocado. O Helio Gracie foi quem difundiu o jiu-jitsu no Brasil. Acho que o Brasil ficou chocado com essa notícia. Não tem muito o que falar, porque os Gracies foram responsáveis pela entrada do Brasil no vale-tudo disse.

Já o canadense Georges St. Pierre, que fará a luta principal de sábado pelo cinturão do peso meio-médio contra BJ Penn, também lamentou a morte de Helio. O lutador já treinou em uma academia da chancela Gracie no Brasil por três meses.

Eu quero oferecer minhas sinceras condolências. Se não fossem os Gracies, hoje não existiria o Ultimate Fighting. Eles foram os líderes do movimento para a criação do UFC afirmou.