Vai dar brasileira na São Silvestre, diz Marizete

Portal Terra

SÃO PAULO - Os quenianos são sempre apontados como principais corredores de maratonas. Na São Silvestre, nesta quarta-feira, não será diferente. Mas na prova feminina, as brasileiras falam em união para superar as rivais africanas. "Vai dar brasileira", promete Marizete Moreira dos Santos.

Aos 33 anos, a ex-telefonista goiana tem um currículo invejável. Vencedora da Maratona de São Paulo de 2001 e da Meia Maratona do Rio de 2006, ela tem a experiência ainda de ter conquistado a São Silvestre em 2002. Por isso, ela tem autoridade para fazer promessas quanto ao rendimento na prova.

Todo o mundo sabe que é difícil (bater as quenianas). Mas todas terão dificuldades, e creio que vai dar brasileira disse Marizete A prova é dia de brilhar, e espero que estejamos no alto do pódio.

Quem endossa a opinião é Maria Zeferina Baldaia, que tem também uma São Silvestre na carreira, vencida em 2001. No ano passado, foi a terceira colocada.

As brasileiras estão bem. De alguns anos para cá, estamos correndo de igual para igual. Mas a São Silvestre é uma caixinha de surpresas e tudo pode acontecer avisa.

Do lado oposto da disputa, a queniana Nancy Kipron, vencedora da Volta da Pampulha nos anos de 2007 e 2008, responde como a principal concorrente das brasileiras. Para se adaptar às condições climáticas, ela se prepara no País há três meses.

Estou há três meses aqui, mas vejo concorrentes fortes, como atletas da Tanzânia e do Brasil. As atletas que venci na Pampulha podem também correr melhor amanhã admite Kipron, timidamente.