Crise mundial pode levar Abramovic a vender o Chelsea

JB Online

LONDRES - O magnata do petrólea, Roman Abramovich pode vender alguns de seus bens, entre eles o Chelsea, para amenizar os prejuízos sofridos pela crise financeira mundial, afirmou nesta segunda-feira a agência oficial russa Prime-Tass.

A fortuna de Abramovich, considerado um dos homens mais ricos do mundo, teria caído de 16,7 bilhões de euros para apenas 2,3 bilhões. Com isso, ele pode se desfazer do clube inglês, que adquiriu em julho de 2003 e no qual já investiu cerca de 210 milhões de euros, ou de seu luxuoso iate "Pelorus", de 115m de comprimento e avaliado em 200 milhões de euros.

A embarcação, com uma tripulação de 50 pessoas, dois heliportos e um sistema antimísseis para defesa de ataques de piratas e terroristas, está desde novembro em Barcelona, na Espanha, para manutenção.

Segundo um especialista em operações financeiras no futebol e ex-dirigente de dois clubes alemães, o magnata russo pensa na venda da equipe desde novembro. Algumas medidas de economia já foram impostas no clube, como a demissão de alguns treinadores e o fim das refeições de graça para os jogadores na cantina.

Abramovich chegou a cancelar uma festa de Ano Novo em que pretendia reunir 60 amigos e convidados na luxuosa estação de esqui de Aspen, nos Estados Unidos. Em vez disso, ele dará um jantar num luxuoso hotel de Moscou.

Por outro lado, um habitante da Letônia, país que vive a maior recessão na União Européia, publicou na internet uma carta pedindo ao magnata que compre a nação - e já conta com o apoio de 400 assinaturas.

O autor explica que a Letônia está falindo e que os 7,5 bilhões de euros a serem recebidos da UE e do Fundo Monetário Internacional (FMI) não chegarão à população.

- É um território de muito verde e excelente para navegar com seu iate, diz um trecho da carta, em referência ao litoral do Mar Báltico.