Gasol diz que árbitros favoreceram americanos

Portal Terra

LOS ANGELES - As polêmicas decisões da arbitragem que marcaram a final do torneio olímpico de basquete em Pequim pareciam um assunto encerrado até esta sexta-feira, quando a juíza francesa Chantal Julien disparou dizendo que a Espanha foi prejudicada naquela partida. Neste sábado, quem apareceu para comentar o assunto foi nada menos que o principal jogador do selecionado europeu, Pau Gasol, que concordou relatando um consenso entre os árbitros para não marcarem as "andadas" dos Estados Unidos.

Uma das árbitras que participou das Olimpíadas chinesas, Julien concedeu entrevista à publicação gaulesa Basketnews e qualificou de "vergonhosa" as atuações do argentino Pablo Estévez, do lituano Romualdas Brazauskas e do finlandês Carl Jungebrand na decisão da medalha de ouro na Ásia, em jogo vencido pelos EUA por 118 a 107.

Em entrevista ao diário espanhol Marca, Gasol acompanhou em parte a opinião da francesa, admitindo que foram assinaladas menos infrações contra os norte-americanos do que deveria ter sido feito.

- Era bastante óbvio que não iam marcar 'duas saídas' pelo bem do jogo, para não pará-lo continuamente, disse o ala-pivô do Los Angeles Lakers, assegurando que algumas marcações diferentes poderiam ter mudado o destino do ouro.

- Se tivessem apitado duas ou três 'andadas', o resultado teria mudado, porém é algo que você não pode controlar, continuou o atleta espanhol, que fez questão de negar, contudo, que a arbitragem tenha acatado esse novo regulamento somente na decisão do evento olímpico.

- Os árbitros foram muito consistentes durante todo o campeonato. Se não marcavam aquilo antes, como o fariam na final? Creio que tenha havido um consenso, afirmou.