Phelps tinha "supercafé da manhã" em Pequim

Portal Terra

LOS ANGELES - Grande nome da Olimpíada de Pequim, com oito medalhas de ouro conquistadas e o conseqüente recorde de triunfos em uma só edição dos Jogos, o nadador norte-americano Michael Phelps confirmou, em seu livro lançado na última terça-feira ("No Limits: The Will to Succeed" - Sem Limites: A Vontade de Vencer, em português), que tinha um "supercafé da manhã" durante sua estada na China, acumulando de 8 a 10 mil calorias por dia.

- Durante os Jogos, diziam que eu consumia 12 mil calorias por dia, mas isso não é certo. O número que mais se aproxima é de 8 a 10 mil, com três sanduíches com ovo frito, queijo, alface, tomate, maionese e cebolas fritas, além de uma omelete e cereais - disse Phelps no livro.

- A refeição também continha um prato de mingau, três torradas francesas com açúcar e, no final, três panquecas com chocolate - completou o nadador norte-americano, que superou o recorde de conquistas (sete) do compatriota Mark Spitz nos Jogos Olímpicos de Munique, em 1972.

Phelps também afirmou no livro que temeu ser vítima de algum tipo de atentado, como, por exemplo, um envenenamento. - Estávamos paranóicos. Bob (Browman, seu técnico) checava a cada segundo minha garrafa de água. Ele queria assegurar que ninguém faria algo incrivelmente estúpido como tentar me envenenar - declarou.