Após vaias, árbitro revelação se diz representado por Simon

Portal Terra

RIO DE JANEIRO - Leandro Vuaden inovou a arbitragem brasileira e com sua maneira de "deixar o jogo correr" e arrancou muitos elogios, principalmente de técnicos e jogadores. Gaúcho como Carlos Eugênio Simon, o juiz saiu em defesa do companheiro e admitiu, em entrevista ao Terra, que sentiu-se representado no palco do Museu de Arte Moderna do Rio de Janeiro, quando Simon, em tom de desabafo, falou sobre os árbitros no País e acabou sendo vaiado.

O Simon passou por uma situação difícil e todos nós sabemos disso. Ali era a oportunidade de ele se manifestar porque até então só tinha ouvido. E ele o fez porque tem propriedade. Tem facilidade de falar. Chega uma hora que você não agüenta mais e você sabe que está certo e continua ouvindo e ouvindo. Foi um desabafo. Ele tinha seus motivos para fazer isso afirmou.

O Simon é um referencial, não só na arbitragem, mas nas atitudes dele. É uma pessoa fantástica, um excelente representante, um excelente espelho, um incentivador de nós árbitros completou.

Vuaden foi eleito o segundo melhor árbitro do Campeonato Brasileiro de 2008 pela CBF, perdendo apenas para Leonardo Gaciba, e comentou seu novo método de apitar uma partida de futebol.

Quero contribuir para o esporte chamado futebol e para a evolução da arbitragem. Não penso em ser um marco, mas sim uma pessoa que contribua. Que bom que foi bem aceito pelos jogadores, pela imprensa e pelos dirigentes. Isso me deixa muito feliz. A estatística provou que houve uma redução no número de faltas. Com isso, o espetáculo fica mais bonito disse Vuaden.