Maduro e de "cabelo branco", Massa vive dia de ídolo

Tossiro Yamamoto, Portal Terra

SÃO PAULO - Com a vitória no Grande Prêmio do Brasil, Felipe Massa não tirou o título do britânico Lewis Hamilton, da McLaren. Mesmo assim, o piloto da Ferrari ganhou maturidade e status de novo ídolo brasileiro. Essa era a sensação após a corrida. Isso ficou comprovado nesta terça-feira, durante a premiação do Capacete de Ouro, em São Paulo.

De acordo com o piloto, as experiências pelas quais passou na última etapa do circuito o fizeram amadurecer mais e sempre lutar pelos objetivos. O principal exemplo é o modo como Massa encarou recentemente o pedido de desculpa do chefe Stefano Domenicali pelos erros cometidos na temporada pela Ferrari, apontados por alguns como responsáveis por seu vice-campeonato.

- Se eu erro na pista, sou o primeiro a pedir desculpas para a equipe. Se acontece um problema da equipe, ela me respeita e tem prazer imenso de me pedir desculpas também. A gente é uma família, ganha junto, perde junto e colhe junto. Foi isso o que aconteceu nas últimas duas semanas, cresceram muitos cabelos brancos - afirmou.

- O esporte é assim mesmo. A gente faz o melhor, às vezes não acontece aquilo que a gente quer, às vezes acontece. A vitória era o máximo que a gente poderia alcançar, e alcançou - acrescentou.

Como a premiação para os três finalistas da Fórmula 1 - Rubens Barrichello, Nelsinho Piquet e ele - foi a última, Massa pôde acompanhar a entrega dos troféus das outras categorias. Sentado próximo ao palco, ao lado da família, o ferrarista, que causou tumulto em sua chegada ao local, concedeu autógrafos a jovens fãs e foi citado por vários premiados.

Enquanto Massa venceu a edição de 2008 do Capacete de Ouro, prêmio entregue anualmente aos destaques do automobilismo nacional, Barrichello e Nelsinho ficaram respectivamente com o Capacete de Prata e Capacete de Bronze.