Corinthians monta time para a Copa do Brasil de futebol feminino

JB Online

SÃO PAULO - Depois de oito anos afastado da modalidade, o Corinthians voltou em 2008 com força total ao futebol feminino. Incentivado pela atual diretoria, o departamento de futebol feminino investiu na montagem de um time que está há seis meses sem perder, sofreu uma única derrota na temporada, e estreou nas semifinais do Campeonato Paulista no sábado derrotando o Saad por 2 a 1, em Águas de Lindóia - o mesmo Saad que enfrenta nesta terça-feira no primeiro jogo da segunda fase da Copa do Brasil de Futebol Feminino.

- A diretoria está dando todo o apoio, através do presidente Andrés Sanches e do diretor Miguel Marques e Silva. O futebol feminino tem uma comissão técnica semelhante à do futebol masculino e as jogadoras têm toda a assistência - explica o supervisor Vagner Rodrigues.

O Corinthians estreou na Copa do Brasil goleando o Iguaçu, em Ipatinga, por 5 a 1, classificando-se assim para a segunda fase sem a necessidade de fazer o segundo jogo. Nesta terça-feira, às 20h30, enfrenta o Saad, no Estádio Leonardo Barbieri, em Águas de Lindóia, com o time bem preparado para conseguir mais uma vitória, como diz o técnico Dema.

- Respeitamos muito todos os adversários, mas o Corinthians montou um time para ser campeão este ano. Não assediamos jogadoras de nenhum clube do Brasil, repatriamos algumas como Renata, Priscilla e Nilda, temos a Cristiane, e formamos assim um time realmente forte - explicou.

Dema é um entusiasta do futebol feminino, modalidade em que está há muito tempo na estrada. Foi técnico da Seleção Brasileira em 93,94 e 95, revelou uma geração de jogadoras que tinha Formiga, Tânia Maranhão e Kátia Cilente, em uma época em que o futebol feminino estava em fase de implantação.

- Já naquela época, em que o futebol feminino estava engatinhando em termos de estrutura, a CBF dava todo o apoio, como continua a fazer na seleção Brasileira e agora com a segunda edição da Copa do Brasil, iniciativa que certamente trará bons frutos para a modalidade no país.

Dema, que dirigiu vários clubes no Brasil, entre eles Flamengo e Palmeiras, tem convicção de que o futebol feminino vai firmar-se no país em termos de popularidade e atração. Baseia a sua certeza com números extraídos do Campeonato Paulista de 1997, que reuniu os clubes mais expressivos do Estado - São Paulo, Corinthians, Palmeiras, Portuguesa, da capital, e Santos - teve uma excelente repercussão, inclusive na transmissão de TV.

- Dois canais de TV aberta e um de cabo transmitiram o campeonato e a audiência alcançou um média de 6/7 pontos, com pico de 13. Se fizermos uma comparação com a transmissão do voleibol masculino na mesma época, o futebol feminino levou uma vantagem considerável, já que a média do vôlei foi de 4 pontos, com pico de sete.

Os números favoráveis, segundo Dema, só comprovam que, se o futebol feminino se organizar em uma competição da qual participem os clubes mais populares do país, com seu contingente de torcedores, o esporte tem tudo para se tornar o número 2 na preferência do brasileiro.

- Se tivermos um campeonato com os grandes clubes dos estados, o futebol feminino passará sem dúvida a ser o segundo em preferência do brasileiro, o que certamente lhe dará visibilidade e atrairá os patrocinadores.