A dura vida de torcedor

Julio Calmon, Jornal do Brasil

RIO DE JANEIRO - Presente nas duas últimas convocações para a Seleção Brasileira, o lateral-esquerdo Juan retorna ao Flamengo depois de desfalcar o time na decepcionante derrota para o Atlético-MG, partida que acompanhou pela internet. Com a camisa do Brasil, ele apenas assistiu do banco de reservas à vitória sobre a Venezuela e ao empate com a Colômbia. Ou seja, foi torcedor nos últimos três jogos. Fato que o motiva ainda mais a disputar o clássico com o Vasco, no domingo, às 18h10.

Todo mundo gosta de jogar. Depois de ficar só assistindo, a vontade de entrar em campo e jogar é ainda maior. E tenho muito orgulho de voltar a vestir a camisa do Flamengo em um clássico, comenta o lateral, jogador do time que mais finaliza e sofre faltas no Campeonato Brasileiro.

Juan tomou um susto quando soube do resultado de 3 a 0 para o Atlético-MG. Mas não estava sozinho na ingrata tarefa de torcer à distância, concentrado na Venezuela. Crias da Gávea, o zagueiro Juan e o goleiro Júlio César também sofreram com o resultado adverso, que deixou o Flamengo a sete pontos do líder Grêmio.

Acompanhamos tudo pela internet. Foi difícil acreditar. A torcida fez uma festa incrível e o time não correspondeu. A derrota acabou repercutindo muito entre os jogadores da Seleção.

Por causa do resultado, Juan sabe que a vitória no domingo é imprescindível para o Flamengo continuar na luta pelo título. Apesar de o adversário estar na parte debaixo da tabela, o jogador repete o discurso cauteloso que outros jogadores adotaram depois das reuniões com o vice-presidente de futebol, Kléber Leite.

Estamos próximos do grupo dos quatro primeiros colocados e ainda é possível pensar no título. A partir de agora, todo jogo é uma decisão, avalia Juan. O de domingo é mais difícil por se tratar de um clássico. Existe a rivalidade.

E o Vasco é um velho conhecido de Juan quando se fala em decisão. Foi dele o único gol da partida final da Copa do Brasil contra o rival, em 2006. Ainda que muitos já tenham jogado a toalha em termos de título, o lateral não entrega os pontos tão fácil assim. Acredita que o Flamengo deve mirar o topo da tabela até o fim, para rondar as primeiras posições e terminar o campeonato entre os quatro primeiros caso não seja campeão.

Obina no ataque

Com uma rodada repleta de clássicos, Juan acredita que Grêmio, São Paulo, Palmeiras e Cruzeiro vão perder pontos nos jogos seguintes. Para ele, bastaria o Flamengo fazer o seu papel na competição.

No domingo, seus cruzamentos da esquerda deverão ter como destino o atacante Obina, que treinou entre os titulares pela segunda vez na semana. Foi dele um dos gols do coletivo de ontem, na vitória por 3 a 1 sobre os reservas. Kléberson e Marcelinho completaram o placar, com Josiel diminuindo para os reservas.

Curiosamente, Obina é outro personagem importante daquela final de 2006, quando marcou um gol no primeiro jogo da decisão.

Utilizamos cookies essenciais e tecnologias semelhantes de acordo com a nossa Política de Privacidade.
Ao continuar navegando, você concorda com estas condições.
Saiba mais