Decisão final mantém Clodoaldo em classe que exige mais do atleta

Agência Brasil

BRASÍLIA - Na última tentativa de permanecer na classe que lhe rendeu seis medalhas de ouro e uma de prata nas últimas Paraolimpíadas, em Atenas, Clodoaldo Silva acabou mesmo sendo reclassificado para o nível S5. O atleta tinha feito a reavaliação funcional na última quinta-feira, mas o Comitê Olímpico Brasileiro (CPB) protestou e o nadador teve direito a fazer novos testes hoje.

As classes servem para nivelar os competidores paraolímpicos. Quanto menor o número, maior é a dificuldade do atleta. Na natação, a classificação vai de 1 a 10. Clodoaldo vai competir agora com atletas mais rápidos do que seus antigos adversários da classe S4, que apresentam maiores limitações.

Segundo especialistas no esporte paraolímpico, o nível pode mudar de acordo com a evolução da pessoa com deficiência. Clodoaldo é considerado um atleta limítrofe, com características tanto da classe S5 quanto da S4.

Ontem, o presidente do CPB, Vital Severino, disse que não acreditava em perseguição e que todos os atletas estão submetidos ao procedimento de reavaliação e devem cumpri-lo. A decisão de hoje é definitiva e, a partir das Paraolimpíadas de Pequim, Clodoaldo passa a competir pela classe S5.