Ao atacar de goleiro, Edmundo repete Pelé e Gaúcho

Portal Terra

SÃO PAULO - Com a expulsão do goleiro Tiago e as três alterações promovidas pelo técnico Tita na partida diante do Cruzeiro, Edmundo terminou no gol a derrota por 3 a 1 diante do time mineiro, na última quinta-feira. Ao atacar de goleiro em São Januário, o jogador do Vasco relembrou feitos de Pelé e Gaúcho.

Em jogo válido pela Taça Brasil de 1963, o santista provou que também é habilidoso com as mãos. No duelo diante do Grêmio, o goleiro Gilmar dos Santos Neves foi expulso. Como não era permitido fazer substituições, o camisa 10 se candidatou a jogar no gol.

Diferente do vascaíno Edmundo, Pelé guarda boas recordações de sua atuação na posição. Acostumado a destruir as defesas adversárias, o Rei do Futebol fez boas intervenções com as mãos e garantiu a vitória do Santos por 4 a 3 sobre o adversário de Porto Alegre.

No Palmeiras, mesmo sem conquistar títulos, Gaúcho entrou para a história. Em jogo válido pelo Campeonato Brasileiro de 1988, o atacante começou na reserva. O time alviverde enfrentaria o poderoso Flamengo, campeão da Copa União no ano anterior, no Maracanã.

A equipe visitante chegou a fazer 1 a 0. Quando o goleiro Zetti quebrou a perna em uma dividida com Bebeto, o técnico Ênio Andrade já havia esgotado suas alterações. Desta forma, Gaúcho foi para o gol. Nos acréscimos, Bebeto conseguiu a igualdade. Na época, os jogos que terminavam empatados eram decididos nos pênaltis.

Nos tiros livres, Gaúcho se consagrou ao defender as cobranças de Aldair e Zinho. Nos rachões promovidos nos treinos, o atacante costumava atuar no gol. Por incrível que pareça, foi a performance como goleiro que alavancou a carreira do atleta, que pouco depois se transferiu para o Flamengo e ganhou os únicos dois títulos da carreira.

Com a camisa do Palmeiras, Rodrigo Taddei, hoje na Roma, também passou pela experiência de trocar de posição durante o jogo. Na partida diante do Vasco, pelo Campeonato Brasileiro de 2001, o versátil meio-campista substituiu Marcos, que foi expulso. Na derrota por 3 a 1, ele sofreu, de pênalti, o último gol, marcado por Romário.