Campeões da Libertadores em 98 se reencontram no Vasco

Márcia Vieira, Jornal do Brasil

RIO - O Vasco comemorou nesta quinta-feira em dois períodos os dez anos da conquista da Taça Libertadores da América de 98. Cedo, um almoço organizado pela antiga diretoria de Eurico Miranda reuniu em um restaurante português grande parte da equipe que foi campeã contra o Barcelona de Guaiaquil. E antes do jogo contra o Cruzeiro, a homenagem foi prestada pelo presidente Roberto Dinamite, que entregou aos jogadores da época uma placa comemorativa para relembrar a grande data. Os craques foram ovacionados pela torcida, que enfeitou São Januário com bandeiras com o nome e o rosto de cada um.

Mas o reencontro dos jogadores começou bem mais cedo. Pedrinho, Mauro Galvão, Donizete, Mauricinho, Ramon, Luizinho, Válber, Márcio, Maricá, Alex, Sorato, Fabrício, além do técnico Antônio Lopes e os dirigentes da época reuniram-se no mesmo local que almoçavam e jantavam antes dos jogos da competição. Ciceroneados pelo ex-presidente Eurico Miranda, os jogadores puderam relembrar a histórica campanha em um telão que exibia os momentos mais marcantes da façanha. E para completar a festa, receberam uma camisa comemorativa feita especialmente para relembrar a data. Nem mesmo o atual supervisor do Flamengo, Isaías Tinoco que trabalhava na época da conquista na Colina escapou de ganhar uma delas.

Entre muitas brincadeiras e gozações, ele recebeu a camisa, mas não vestiu apesar dos insistentes pedidos dos jogadores. Para se livrar da 'saia-justa', garantiu ter guardado a que ganhou em seu carro.

Apesar de o evento reunir grande parte da diretoria que recentemente deixou o clube, todos fizeram questão de frisar que o evento não era de ordem política.

Esta homenagem já tinha sido bolada antes mesmo da eleição. Se tivéssemos ganhado, haveria uma comemoração grandiosa informou o ex-vice-presidente jurídico do Vasco, Paulo Reis.

No descontraído almoço não faltaram sorrisos, gestos de carinho e de amizade de velhos companheiros que não se viam há muito tempo. E o bate-papo só era interrompido quando o telão exibia algum lance marcante da campanha. O meia Pedrinho, apresentado na última quarta-feira pela nova diretoria, deixou a política de lado para reencontrar velhos amigos.

Foi maravilhoso rever o pessoal de quem eu tinha perdido contato. Nesta quinta matei a saudade de muita gente e se pudesse voltaria no tempo para reviver aqueles dias. Foi muito bom disse apressado o jogador, correndo contra o tempo para não perder o treino físico em São Januário. Atrasado, o atacante Donizete chegou justamente na hora da foto e levou uma bronca carinhosa do grupo.

Estou emocionado em ver todo mundo. Saber que fiz parte de uma conquista tão importante num clube como o Vasco me deixa muito orgulhoso revelou o ex-jogador que guarda como maior lembrança da conquista ter passado em frente à sede do Flamengo, na Gávea, no alto do carro do Corpo de Bombeiros.

Eurico fala

Afastado do clube, Eurico Miranda esbanjou bom-humor e, apesar de contido, não conseguiu esconder a emoção de relembrar a inédita conquista. No encontro, ele não poupou críticas a atual diretoria que considera despreparada para dirigir o clube. Em uma conversa descontraída com os jornalistas fez questão de desmentir qualquer ligação com o Bangu.

Eu não passo em Bangu há quatro anos e jamais investiria um centavos sequer em clube que não fosse o Vasco disparou o ex-dirigente, que disse não pretender se candidatar de novo à presidência.

Não há nenhuma chance de eu voltar, mas terei uma participação ativa dentro do Conselho. Mas tudo que fizer irei discutir internamente comentou, reafirmando não ter saudade de sua vida no clube.

Atualmente tenho só preocupação, não saudade. Mas se tivesse de voltar no tempo, faria tudo de novo.