Contra Japão-B, Brasil erra mais e Bernardinho cobra empenho

REUTERS

RIO - O técnico Bernardinho mostrou durante a partida do Brasil contra o Japão, nesta sexta-feira, no Maracanãzinho, que as demonstrações de ira em quadra continuam as mesmas independente do adversário.

Após duas bolas mal levantadas por seu filho Bruno na vitória de 3 sets a 0 sobre o time quase todo reserva do Japão, o treinador foi à loucura e jogou longe a bola que estava em sua mão.

Depois da vitória, que classificou o Brasil para as semifinais da Liga Mundial, o treinador ainda criticou duramente dois saques errados por Rodrigão e cobrou melhor sintonia entre o levantador Marcelinho e André Nascimento.

- Hoje o time errou mais que na estréia, especialmente no ataque. Vamos conversar sobre isso hoje e espero que amanhã o time jogue melhor, disse Bernardinho a jornalistas, após a vitória por 3 sets a 0 (25-16, 25-23 e 25-15), que classificou o Brasil para a semifinal da Liga Mundial, no sábado.

A irritação de Bernardinho tinha como alvo a desatenção da equipe. Mesmo enfrentando um adversário que foi convidado de última hora e tinha apenas 9 jogadores à disposição, 3 a menos que o Brasil, o time brasileiro esteve ameaçado no segundo set, ficando a dois pontos de ser derrotado.

O meio-de-rede Rodrigão foi quem recebeu as críticas mais duras do treinador. O jogador, que tem por característica um saque colocado sem força, errou dois serviços no primeiro set que foram condenados pelo técnico.

- O que mais me preocupou foi o Rodrigão, que errou dois saques flutuantes. O Rodrigão não pode errar saque, porque depois do Rodrigão vem o André Nascimento, que saca forte. O saque dele é um saque tático, ele não pode errar, disse Bernardinho.

Numa partida que, com exceção do segundo set, foi amplamente dominada pelo Brasil, a equipe acabou cometendo 18 erros, 6 a mais do que no jogo de estréia contra a Rússia, adversário bem mais forte que é candidato a lutar pelos títulos da Liga e dos Jogos de Pequim.

Os próprios jogadores reconheceram que houve desatenção, e prometeram uma postura diferente para a semifinal de sábado contra EUA, Sérvia ou Polônia.

- Desconcentração é um tipo de erro que não pode acontecer amanhã, disse Rodrigão depois do jogo.

- Ele (Bernardinho) fica louco porque sabe que não é fácil a equipe manter a concentração em uma partida como essa, mas ele não precisa se preocupar que amanhã a galera vai vir 100 por cento.

A seleção japonesa, convidada a disputar a fase final da Liga Mundial no Rio após Itália e Bulgária terem recusado o convite, mandou uma equipe formada por jovens jogadores ao país, enquanto o time principal segue em território japonês se preparando para os Jogos Olímpicos de Pequim, que começam em duas semanas.