Pequim publica lista de proibições para turistas na Olimpíada

REUTERS

PEQUIM - Os organizadores da Olimpíada de Pequim lembraram aos estrangeiros nesta segunda-feira que eles devem se comportar bem durante os Jogos, já que muitas coisas são proibidas no país, desde protestos sem permissão até dormir nas ruas.

A extensa lista de proibições, escrita somente em chinês e publicada no site oficial dos organizadores (www.beijing2008.cn), também diz que a compra de ingressos não garante a concessão de visto de entrada no país.

A entrada será proibida aos que tenham intenções "subversivas", doenças mentais ou sexualmente transmissíveis e também a quem pretenda se prostituir.

- Os estrangeiros devem respeitar as leis chinesas enquanto estiverem na China e não devem ferir a segurança nacional chinesa ou a ordem social - diziam as regras.

Obcecado com a estabilidade, o governo está determinado a assegurar que nada atrapalhe a Olimpíada e, nos últimos meses, endureceu o controle sobre os vistos, permissões de residência a estrangeiros e locais de lazer.

O livreto avisa aos cerca de 50 mil turistas que devem ir a Pequim em agosto que a China ainda tem muitas zonas proibidas e é bastante devotada à burocracia e aos órgãos de segurança pública.

- Nem tudo na China está aberto a estrangeiros e, se os estrangeiros não tiverem permissão, é melhor não ir a esses locais - diz o texto.

- Os estrangeiros devem carregar todos os documentos relevantes. Caso a polícia faça seu trabalho, ela tem o direito de checar passaportes e outros documentos - dizia o livreto, ressaltando que os turistas devem se registrar na polícia assim que chegarem à China.

O governo chinês negou manter uma lista de possíveis jornalistas "subversivos", mas tenta evitar que ativistas em defesa dos direitos humanos ou grupos pró-Tibete protestem durante os Jogos, o que se evidencia no maior controle da emissão de vistos.

- Os espectadores estrangeiros não vão conseguir vistos automaticamente só porque compraram ingressos para a Olimpíada. Eles ainda precisam se cadastrar para a concessão de vistos, de acordo com as regras das embaixadas chinesas - diz o texto.

O livreto também lista seis atividades ilegais em eventos culturais ou desportivos, como carregar "cartazes hostis", xingar jogadores ou o árbitro, fumar e lançar fogos de artifício.

Dormir na rua também é proibido, para "manter a higiene pública e a imagem cultural das cidades".