Ronaldo diz que não sabia que acompanhantes eram travestis

Bruno Pontes e Eduardo Tavares, JB Online

RIO - O atacante Ronaldo, do Milan, prestou depoimento na 16ª DP (Barra) para esclarecer o incidente em que se envolveu com três travestis.

Segundo declarações do delegado Carlos Augusto Nogueira, o jogador teria saído da boate 021, na Barra, Zona Oeste da cidade, por volta das 4h30, e ao passar pela Avenida Sernambetiba, próximo ao seu condomínio, avistou uma garota de programa, que segundo o próprio atacante não aparentava ser homem.

O jogador e a suposta garota de programa foram para o motel Papilon, e no caminho, o travesti teria proposto a Ronaldo que lhe deixasse chamar mais duas amigas.

Quando as acompanhantes chegaram, Ronaldo teria percebido que as três eram travestis e então recusado a fazer o programa. Os travestis teriam oferecido cocaína a Ronaldo para conseguir fazer o programa, mas o jogador teria recusado e dado mil reais a cada uma para cancelar o programa.

Apenas uma não aceitou, e teria ameaçado o jogador, exigindo 50 mil reais para que ela não levasse o caso à imprensa, sob a acusação de se relacionar com um travesti sem pagar e consumir cocaína.

O travesti então chamou a polícia, e ambos foram levados à 16ªDP para prestar depoimento.

Na delegacia, ronaldo reforçou sua versão da história, mas o travesti fugiu do local correndo, quando se preparava para ser ouvido pelos policiais.

O delegado afirmou que poderá abrir um inquérito de extorsão contra Ronaldo, mas que a possibilidade de também abrir um inquérito sobre suspostas ameças do jogador ao travesti também existe.