Provas de resistência em Pequim podem não ser saudáveis, diz COI

JB Online

PEQUIM - Provas de resistência na Olimpíada de Pequim podem trazer riscos à saúde, caso sejam realizadas em locais muito poluídos, disse o Comitê Olímpico Internacional (COI) na quarta-feira, apesar de ter reagendado este tipo de prova.

Hein Verbruggen, chefe da Comissão de Coordenação do COI, disse que há uma pequena chance dos atletas sofrerem danos à saúde, se participarem de provas que durem mais de uma hora, como a maratona ou as corridas de ciclismo.

Pequim é uma das cidades mais poluídas do mundo. Apesar do investimento em purificação de mais de 120 bilhões de iuanes (17,12 bilhões de dólares) feito na última década, a qualidade do ar continua sendo uma preocupação dos atletas que participarão dos Jogos, que já enfrentam protestos relacionados aos direitos humanos.

- Pode haver risco, mas não tão grande, para provas de resistência que durem mais de uma hora - disse o holandês à Reuters em meio à inspeção final das preparações para os Jogos, que vão de 8 a 24 de agosto.

- Neste caso, estamos desenvolvendo um plano B. Podemos atrasar certos eventos em alguns dias. Mas, para fazer isso, a coisa precisa estar muito ruim.

Os organizadores podem enfrentar um dilema se, no dia final de competições, os níveis de poluição forem altos demais para permitir a maratona masculina.

Para provas que durem menos de uma hora, Verbruggen disse que não há nenhum risco à saúde dos atletas.

- Os chineses, junto com a nossa Comissão Médica, fizeram um excelente trabalho - acrescentou ele. - Eles provaram cientificamente que não há riscos para a grande maioria dos esportes.

O chefe da Comissão de Imprensa do COI, Kevan Gosper, disse que os investimentos de Pequim já deram resultados e que estava confiante que os planos de contingência seriam efetivos.

- Em todos os Jogos de que participei como administrador, desde 1984, houve preocupações quanto à qualidade do ar... em todos os casos, tudo ocorreu normalmente - disse ele.

Pequim planeja tirar cerca de metade de seus 3,5 milhões de carros das estradas e fechar parcialmente as indústrias na capital e em mais cinco províncias vizinhas por dois meses -- o que inclui a Olimpíada e a Paraolimpíada.