Organizações reagem à suposta orgia sadomasoquista de Mosley

Portal Terra

LONDRES - Organizações reagem à suposta orgia sadomasoquista de Mosley

As organizações judaicas que trabalham em memória das vítimas do holocausto reagiram com indignação à denúncia feita pelo jornal inglês News of the World de que o presidente da Federação Internacional de Automobilismo (FIA), Max Mosley, teria participado de uma orgia sadomasoquista com cinco prostitutas em um apartamento em Londres.

A festa teria simulado um campo de concentração nazista. O jornal documenta a denúncia com fotos e apresentava no último domingo um vídeo do ocorrido em sua versão online.

Chefe executivo da Fundação Educacional do Holocausto, Karen Pollock foi enfático. "Isso é doente e depravado. Para qualquer um que está na posição de influência e poder fica difícil de acreditar. Estou absolutamente estarrecido", disse ao jornal inglês The Times.

Já o diretor do Centro de Holocausto, Stephen Smith, disse que o dirigente envergonhou todas as pessoas envolvidas com o automobilismo e, por isso, deveria perder o cargo de presidente.

- Como Mosley condenou o automobilismo ao racismo ele deveria deixar a posição que ocupa. Isso é um insulto para as milhões de vítimas, sobreviventes e suas famílias. Ele deve se desculpar. Ele deveria se resignar pelo bem do esporte - completou.

O porta-voz da Federação Internacional de Automobilsmo (FIA) disse que a entidade não emitirá uma posição oficial.

- Isso é um problemas entre o jornal e o senhor Mosley. Nós entendemos que os advogados de Mosley estão agora em contato com a publicação e a FIA não fará comentários - explicou.