FIA não se pronuncia sobre participação de Mosley em escândalo sexual

JB Online

LONDRES - A Federação Internacional de Automobilismo (FIA) não fez comentários sobre a suposta participação de seu presidente, Max Mosley, em um escândalo sexual de conotações sado-nazistas com cinco prostitutas, após a publicação de fotos comprometedoras pelo tablóide inglês 'News of the World'.

O periódico assinala que o presidente da FIA, que aparece nas imagens em atitudes indecorosas extraídas de um vídeo, teria participado de uma 'orgia depravada ao estilo nazista com cinco prostitutas, em uma masmorra de tortura'.

No vídeo mencionado, com cinco horas de duração, o presidente da FIA interpretaria o papel de um comandante em um campo de concentração e, entre outras atitudes, daria ordens em alemão a prostitutas para que lhe batessem com um chicote no traseiro.

A FIA se recusou a fazer comentários a esse respeito, e simplesmente lembrou que se tratava de um assunto privado, a ser resolvido entre Mosley e o periódico em questão.

"Entendemos que os advogados de Mosley já entraram em contato com o jornal, e a FIA não fará comentários', assinalou um porta-voz da federação de automobilismo aos meios de comunicação britânicos.

O 'News of the World' lembra que Mosley, casado desde 1960, é filho de Sir Oswald Mosley, que foi amigo pessoal de Adolf Hitler.

O mencionado vídeo teria sido gravado em uma luxuosa propriedade situada próximo ao rio Tâmisa, na zona de Chelsea, na última sexta-feira(28).

Segundo o periódico, após a maratona sexual, as meninas beberam vinho durante os últimos dez minutos, enquanto Mosley preferiu tomar uma xícara de chá.

Bernie Ecclestone, patrão da Fórmula 1 e próximo de Mosley, confessou sua surpresa perante a publicação, mas não considerou oportuna a renúncia do presidente da FIA.

- O que as pessoas fazem de forma privada é assunto delas próprias. E, sinceramente, não acho que vá afetar de nenhuma maneira o esporte. Conhecendo Max, acho que tudo pode não passar de uma espécie de piada, mais do que uma tentativa de ofender os judeus - assinalou.