FIA mantém-se distante de acusações sexuais contra Mosley

REUTERS

LONDRES - O órgão que controla a Fórmula 1 manteve o silêncio no domingo quanto às acusações sexuais que um tablóide britânico fez a seu presidente, Max Mosley.

- Esta questão é entre o senhor Mosley e o jornal em questão - disse um porta-voz da Federação Internacional de Automobilismo (FIA).

- Sabemos que os advogados do senhor Mosley já entraram em contato com o jornal e a FIA não tem o que comentar.

A primeira página do tablóide News of the World disse que Mosley, 67, presidente da FIA, fez parte de uma 'orgia sadomasoquista' com cinco prostitutas. A orgia teria envolvido brincadeiras de cunho nazista.

Um vídeo também foi publicado no site do jornal (notw.co.uk). O jornal apresentou fotos de um homem que parece ser Mosley, acorrentado nu a um banco 'de tortura' enquanto mulheres o chicoteiam, e disse que o ato se passou em um apartamento perto da casa de Mosley, em Londres.

Mosley é filho de Oswald Mosley, fundador da União Britânica de Fascistas, fundada antes da Guerra. Casado e com dois filhos, ele é presidente da FIA desde 1933.