Rússia considera inadmissível tentativa de politizar Jogos de Pequim

Agência EFE

MOSCOU - O Governo russo afirmou nesta segunda-feira que as tentativas de politizar a realização dos Jogos Olímpicos de Pequim por causa do clima instável no Tibete é algo 'inadmissível'.

- Acreditamos que a China garantirá o mais alto nível de organização nos Jogos, incluindo aspectos de segurança, para participantes e espectadores - disse uma nota divulgada nesta segunda-feira pelo Ministério de Assuntos Exteriores.

A Rússia já afirmou que considera o Tibete 'parte inalienável' da China. Para o Governo, as relações entre Pequim e o Dalai Lama são um 'assunto interno' do país.

A Chancelaria russa espera que as autoridades chinesas adotem todas as medidas necessárias para acabar com o clima de insegurança no Tibete e garantam uma pronta normalização da situação na região autônoma.

Segundo as autoridades tibetanas no exílio, as revoltas no Tibete e a repressão dos chineses já deixaram um saldo de 100 mortos, mas Pequim só reconhece 13.

Após os últimos eventos nessa região autônoma chinesa, muitas associações pró-direitos humanos pediram um boicote aos Jogos Olímpicos de Pequim, mas nenhum Governo ou organismo esportivo se mostrou a favor de apoiar tal medida.

O belga Jacques Rogge, presidente do Comitê Olímpico Internacional (COI), se disse 'muito preocupado' pelos incidentes no Tibete, mas acha que a situação ficará mais calma em breve.

Segundo Rogge, o boicote aos Jogos de Pequim prejudicaria apenas os competidores.

Os Jogos Olímpicos de 2008 vão de 8 a 24 de agosto em Pequim.