Comitê australiano descarta boicote aos Jogos de Pequim

Agência EFE

SYDNEI - O Comitê Olímpico Australiano (AOC, em inglês) não apoiará nenhum boicote aos Jogos de 2008, a serem realizados no mês de agosto em Pequim, devido aos problemas com direitos humanos na China.

Segundo John Coates, presidente do organismo, um eventual boicote como resposta à instabilidade no Tibete só teria reflexo nos atletas, que ficariam impedidos de tornar realidade um sonho ao qual dedicaram anos de preparação.

- A Austrália participou de todos os Jogos Olímpicos da Era Moderna e não será diferente em Pequim. Os jogos são a força do bem, pois têm impacto positivo na sociedade, nas cidades anfitriãs e seus países. O fato de a competição refletir a atitude do país encorajará também a discussão dos problemas de interesse da comunidade global. Levar o Movimento Olímpico à China será positivo para todos - destacou Coates.

O dirigente australiano acrescentou:

- Não é papel do COI assumir a liderança para buscar soluções aos direitos humanos ou problemas políticos, que devem ser de responsabilidade dos Governos - também afirmou Coates.

O primeiro-ministro da Austrália, Kevin Rudd, transmitirá as preocupações de seu país sobre os direitos humanos no Tibete no mês que vem, quando estiver de visita a Pequim.

A Austrália terá uma delegação das mais numerosas em Pequim, com cerca de 450 atletas.

O dirigente também lembrou as palavras de Wang Wei, diretor-executivo do Comitê Organizador dos Jogos Olímpicos de Pequim (Bocog, em inglês), que disse que o evento aceleraria as reformas na China e ajudaria a transformar o país numa sociedade mais aberta ao mundo.

- Sinceramente, esperamos que este seja o caso - concluiu Coates.