COI explica procedimentos para evitar problemas com poluição em Pequim

Agência EFE

PEQUIM - A Comissão Médica do Comitê Olímpico Internacional (COI) divulgou nota explicando como procederá ante os riscos de a poluição prejudicar a disputa de provas de resistência ao ar livre nos Jogos de Pequim, em agosto deste ano.

Cinco provas foram citadas diretamente pelo organismo: ciclismo de rua, maratona, maratona aquática, triatlo e marcha atlética. O COI criará comissões de trabalho com as federações envolvidas para elaborar um 'plano B' caso não haja condições para a disputa de uma prova.

"Pesquisas feitas pela Comissão Médica do COI apontam que pode existir algum risco para as provas ao ar livre que representam um mínimo de uma hora de esforço físico contínuo em alto nível', informou o comunicado.

"O procedimento para ativação de um plano B incluirá uma análise diária da qualidade do ar e das condições meteorológicas na sede, a entrega de relatórios por parte do Escritório de Proteção do Meio Ambiente de Pequim ao COI e às federações, e a decisão conjunta do COI e da federação de adiar a prova se necessário', completa.

No entanto, o COI disse ter analisado minuciosamente todos os valores referentes à qualidade do ar registrados entre 8 e 29 de agosto de 2007 - exatamente um ano antes dos Jogos - e nenhum deles se mostrou preocupante.

"Esta conclusão chega baseada no fato de nenhum dos médicos que atenderam as equipes durante os eventos-teste de agosto de 2007 terem informado ao COI problemas de saúde ligados à qualidade do ar', diz a nota.

Também não foram registrados incidentes durante o Mundial Júnior de atletismo, realizado em agosto de 2006 e que também testou a organização dos Jogos Olímpicos de 2008 nas áreas de segurança, antidoping e logística.

Segundo o sueco Arne Ljungqvist, presidente da Comissão Médica do COI, a análise dos dados aponta que a saúde da grande maioria dos atletas que participará dos Jogos não será prejudicada.

"Pode ser que algumas provas não sejam disputadas em condições excelentes, e que alguns recordes permanecerão inalterados em Pequim', comentou.

"Estaremos atentos à situação diariamente nos poucos esportes em que tivermos um possível risco e tomaremos qualquer decisão necessária para assegurar a proteção da saúde dos atletas', garantiu Ljungqvist.

As notícias alarmantes sobre os altos índices de poluição em Pequim, aliadas à mais recente onda de violência no Tibete, prejudicam os últimos preparativos para os Jogos Olímpicos, cuja cerimônia de abertura está marcada para 8 de agosto.