Alemanha confirma presença nos Jogos Olímpicos de Pequim

Agência EFE

BERLIM - Um dia depois de a Chanceler alemã, Angela Merkel, afirmar que o país não boicotará os Jogos Olímpicos de 2008, em Pequim, por conta da instabilidade no Tibete, o Governo do país reiterou seu compromisso de estar presente ao evento, em agosto.

- Estamos muito preocupados com a atual situação de instabilidade no Tibete e em outras províncias chinesas, mas boicotar os Jogos Olímpicos por causa disso não resolverá o problema de origem - explicou nesta segunda-feira Thomas Steg, vice-porta-voz do Governo alemão.

Assim como John Coates, presidente do Comitê Olímpico Australiano (AOC, em inglês), ele citou os atletas como principais prejudicados.

- Eles se prepararam durante anos para esta competição e não podemos penalizá-los - disse Steg.

O vice-porta-voz apontou a necessidade de as autoridades de Pequim e o Dalai Lama, líder espiritual dos tibetanos, manterem um diálogo direto sobre as causas do conflito.

Ele lembrou que a Alemanha apóia as aspirações tibetanas de uma maior autonomia cultural, mas sem questionar a integridade territorial da China.

- Definitivamente, boicotar os Jogos Olímpicos não melhorará a situação no Tibete e em outras províncias - comentou Steg, acrescentando que isso só será possível se as partes conversarem em condições de serenidade.

- A violência não trará uma solução ao conflito, por isso o Governo prega o respeito aos direitos humanos - concluiu.

Durante o fim de semana, Merkel e o ministro do Interior, Wolfgang Schäuble - cuja pasta também é responsável pelo esporte - tinham se manifestado contrários a um possível boicote.