Presidente da Conmebol não vai participar de reunião da Fifa

Agência EFE

ZURIQUE - O paraguaio Nicolás Leoz, presidente da Confederação Sul-Americana de Futebol (CSF), não participará da reunião desta sexta-feira do Comitê Executivo da Fifa, em Zurique, por problemas de saúde.

Segundo o porta-voz da Fifa, Andreas Herren, o dirigente fará uma operação, mas não deu mais detalhes sobre o assunto.

A ausência ocorre dias depois de Leoz ser acusado de possíveis subornos no julgamento sobre a quebra da empresa suíça ISL, que explorava os direitos de marketing e imagem da Fifa.

- Por razões legais, não podemos fazer comentários sobre o caso - afirmou Herren.

A ISL, que administrava a venda dos direitos de imagem das competições da Fifa, quebrou em 2001 e chegou a colocar em perigo a disputa da Copa do Mundo de 2002.

Na terça-feira, primeiro dia do julgamento aberto em Zug (Suíça) contra seis diretores desta empresa, a acusação apresentou como prova os pagamentos que teriam sido realizados pelo presidente da CSF entre janeiro e maio de 2000 por meio de um banco de Liechtenstein.

Estes subornos, que tinham como objetivo garantir contratos vantajosos com a Fifa, chegariam a um total de US$ 130.000.

Ao ser questionada pela Agência Efe, a CSF disse que se trata de um 'assunto encerrado' e fez referência ao comunicado emitido no dia 26 de setembro de 2006. Leoz, de 79 anos, está à frente do organismo sul-americano desde 1986.

O julgamento será retomado no próximo dia 31 de março.

Presidente da Conmebol não vai participar de reunião da Fifa

Presidente da Conmebol não vai participar de reunião da Fifa

Agência EFE

ZURIQUE - O paraguaio Nicolás Leoz, presidente da Confederação Sul-Americana de Futebol (CSF), não participará da reunião desta sexta-feira do Comitê Executivo da Fifa, em Zurique, por problemas de saúde.

Segundo o porta-voz da Fifa, Andreas Herren, o dirigente fará uma operação, mas não deu mais detalhes sobre o assunto.

A ausência ocorre dias depois de Leoz ser acusado de possíveis subornos no julgamento sobre a quebra da empresa suíça ISL, que explorava os direitos de marketing e imagem da Fifa.

- Por razões legais, não podemos fazer comentários sobre o caso - afirmou Herren.

A ISL, que administrava a venda dos direitos de imagem das competições da Fifa, quebrou em 2001 e chegou a colocar em perigo a disputa da Copa do Mundo de 2002.

Na terça-feira, primeiro dia do julgamento aberto em Zug (Suíça) contra seis diretores desta empresa, a acusação apresentou como prova os pagamentos que teriam sido realizados pelo presidente da CSF entre janeiro e maio de 2000 por meio de um banco de Liechtenstein.

Estes subornos, que tinham como objetivo garantir contratos vantajosos com a Fifa, chegariam a um total de US$ 130.000.

Ao ser questionada pela Agência Efe, a CSF disse que se trata de um 'assunto encerrado' e fez referência ao comunicado emitido no dia 26 de setembro de 2006. Leoz, de 79 anos, está à frente do organismo sul-americano desde 1986.

O julgamento será retomado no próximo dia 31 de março.