Pequim testa rodízio de veículos contra poluição na Olimpíada

REUTERS

PEQUIM - A cidade de Pequim iniciou nesta sexta-feira uma experiência de quatro dias com rodízio de veículos nas ruas para tirar 1,3 milhão de carros do tráfego diário, na esperança de que isso venha a reduzir substancialmente a poluição atmosférica durante os Jogos Olímpicos de 2008.

As autoridades dizem que a avaliação dos resultados levará algum tempo, mas o céu turvo da capital chinesa sugere que a cidade precisará fazer algo a mais para oferecer ar puro aos melhores atletas do mundo.

A prefeitura está fechando as fábricas mais poluentes e substituindo o uso de carvão por gás em milhares de casas, mas mesmo assim a poluição atmosférica continua sendo uma grande preocupação para os organizadores.

Em maio, a cidade atingiu a marca dos 3 milhões de carros, e diariamente mais mil veículos ganham as ruas. Além da poluição, a cidade sofre também com os congestionamentos.

- As restrições vão definitivamente reduzir os poluentes veiculares e vão funcionar eficientemente - disse Du Shazhong, porta-voz do Departamento de Proteção Ambiental da cidade, a jornalistas.

Na semana passada, o presidente do Comitê Olímpico Internacional (COI), Jacques Rogge, disse que algumas provas de resistência nos Jogos de 2008 poderiam ser adiadas se a condição do ar não fosse adequada.

- A qualidade do ar hoje está no Grau 2 do Padrão Nacional -- os graus 1 e 2 são adequados para qualquer atividade - afirmou Du.

Um especialista em poluição atmosférica da Organização Mundial da Saúde (OMS) disse, porém, que pessoas com problemas cardíacos devem pensar duas vezes antes de visitar Pequim, já que a contaminação do ar pode provocar 'sérios problemas.'

Em entrevista à BBC, o médico Michal Krzyzanowski afirmou duvidar de melhorias no ar pequinês até os Jogos e da eficácia do rodízio de veículos.

- As partículas têm a capacidade de viajar milhares de quilômetros pelo ar. Então é possível que o efeito benéfico da redução do tráfego na cidade seja compensado pela poluição dos transportes vinda de outras partes da China.

Entre 6h e 24h de sexta-feira e domingo, os carros de placas com finais pares ficam sujeitos a multa caso saiam às ruas. O mesmo vale, no sábado e na segunda-feira, para carros com final ímpar.

Pelo menos na sexta-feira o rodízio parecia funcionar -- as largas e arborizadas avenidas tinham movimento bem menos intenso. Um guarda de trânsito disse à TV Reuters que havia flagrado apenas um carro com final par em uma hora e meia.

- Hoje está muito mais rápido do que normalmente, não há tantos congestionamentos - disse um motorista de ônibus.

Animada, uma passageira que costumava trabalhar de carro disse que agora provavelmente vai preferir o transporte público.

- É muito conveniente, na verdade; não dá mais trabalho que pegar o carro.

Alguns treinadores e atletas já criticaram o fato de que as análises atmosféricas na China não levam em conta os níveis de ozônio e de pequenas partículas no ar.

- Nosso padrão nacional se baseia na nossa própria situação, nas nossas próprias necessidades - explicou Du.

- Mas, ao estabelecê-las, também aprendemos com a prática internacional. Notamos que esses poluentes secundários têm alguma influência sobre o corpo humano, então tomamos medidas para reduzir tais poluentes.