Boxeador cubano diz que fugiu por estar acima do peso

REUTERS

HAVANA - Guillermo Rigondeaux, a principal estrela do boxe cubano que desertou no mês passado dos Jogos Pan-Americanos do Rio e depois se arrependeu, disse nesta quarta-feira que fugiu porque tinha comido demais e seria desclassificado por estar acima do peso. Rigondeaux foi repatriado no domingo a Cuba com seu companheiro de escapada, o campeão mundial Erislandy Lara, após ter sido detido em Araruama (RJ) e ter dito que queria voltar à ilha, de acordo com a Polícia Federal brasileira.

O líder cubano Fidel Castro acusou os boxeadores de terem traído a pátria após terem sido tentados por um empresário alemão que, por meio de sua empresa Area Box Promotion, já havia financiado no passado outras deserções de boxeadores da ilha.

- Houve uma grande indisciplina da nossa parte. Saímos da vila para comprar junto com essas pessoas (empresários) e nos enrolamos. Começamos a beber, comer e passamos do peso - disse Rigondeaux à Reuters após voltar para sua casa em Havana. Ele passou quatro dias em uma 'casa de visitas' do governo.

De acordo com a Polícia Federal, ao serem detidos na semana passada os boxeadores disseram que haviam sido 'dopados' pelos empresários. Os dois pugilistas não compareceram à pesagem oficial, no dia 22 de julho, antes de uma luta do Pan-Americano, algo que jamais havia acontecido na história do boxe cubano.

- Sabíamos que tínhamos cometido um grande erro, que nunca um boxeador cubano havia perdido a pesagem - disse. - Sentimos medo e fugimos da delegação. Já não tinha mais tempo para emagrecer.

Segundo escreveu Fidel Castro em um artigo publicado nesta quarta-feira, Rigondeaux, bicampeão olímpico dos 54 quilos, e Lara, campeão mundial dos 69 quilos, foram levados pelos empresários alemães a uma praia no Estado do Rio acompanhados de três prostituas.

Fidel indicou ainda que ambos não voltariam a defender Cuba em competições de boxe no exterior. A carreira esportiva de Rigondeaux e Lara está suspensa por enquanto. - Chegaram a um ponto sem volta como parte de uma delegação cubana nesse esporte - escreveu o líder cubano num editorial publicado pela imprensa oficial.

- O atleta que abandona sua delegação é como um soldado que abandona seus companheiros no meio de um combate - acrescentou.

Utilizamos cookies essenciais e tecnologias semelhantes de acordo com a nossa Política de Privacidade.
Ao continuar navegando, você concorda com estas condições.
Saiba mais