Uruguai sofrerá peso da história na Copa América

REUTERS

MONTEVIDÉU - Doze anos se passaram desde que o Uruguai conquistou seu último dos 14 títulos da Copa América, e o técnico Oscar Washington Tabárez acredita que os jogadores terão uma responsabilidade a mais nas costas para acabar com esse tabu na competição continental que começa em junho, na Venezuela.

Maior vencedor do torneio ao lado da Argentina, a seleção 'celeste' despertou paixão e ódio desde sua última conquista, com atuações irregulares que deixaram a torcida ansiosa por uma boa campanha este ano.

- O Uruguai tem tradição na Copa (América), junto com a Argentina é o país que mais vezes ganhou, e isso é uma espécie de mandato histórico, afirmou Tabárez em entrevista à Reuters.

O treinador de 60 anos assumiu a seleção uruguaia em março do ano passado, após a eliminação do time nas eliminatórias para a Copa do Mundo da Alemanha.

- Sabemos como é difícil porque existe muito equilíbrio, e Argentina e Brasil estão acima de todos os outros, acrescentou.

A melhor posição conquistada pelo Uruguai desde 1995 foi um vice-campeonato em 1999, após a derrota por 3 x 0 para o Brasil na decisão. Em 2004, no Peru, quando o Brasil foi novamente campeão, os uruguaios ficaram em terceiro lugar.

Este ano, o Uruguai estará no Grupo A, ao lado da sede Venezuela, Bolívia e Peru.

- É verdade que a Venezuela não é a 'Cinderela' da América do Sul, mas também é verdade que não se transformou em uma equipe invencível, comentou o técnico sobre o time da casa.

Tabárez voltou à seleção nacional, após dirigir a equipe na Copa do Mundo de 1990, no lugar de Jorge Fossati, que fracassou na tentativa de levar o time ao Mundial da Alemanha. Fossati foi o segundo treinador da equipe nas eliminatórias, após a desastrada passagem do excêntrico Juan Ramón Carrasco pela equipe.

Desde que Tabárez assumiu, a seleção disputou 11 amistosos, com oito vitórias, um empate e duas derrotas.

Apesar de a maioria dos jogadores convocados já ter experiência na seleção, todos precisam mostrar serviço até a convocação para a Copa América, porque ninguém tem lugar garantido, de acordo com o treinador.

- Temos que trabalhar mais na posse de bola coletiva, estabelecer domínio territorial, que é algo que precisamos somar ao bom rendimento que temos apresentado na defesa e no ataque, disse o treinador.

- Desejamos isso porque é o que pode nos levar ao resultado que queremos na Copa América e no que vem logo a seguir, que é a eliminatória da Copa, acrescentou.

A preparação do Uruguai para a Copa América começa em 11 de junho, em Montevidéu, quando se apresentarão os jogadores convocados, mas a lista definitiva dos escolhidos para o torneio sairá apenas no dia 20 de junho.

Pouco mais de uma semana depois, no dia 30, o Uruguai estréia na competição contra a Bolívia.