Federação equatoriana aceita saída de dirigente preso por tráfico

Agência EFE

QUITO - O presidente da Federação Equatoriana de Futebol (FEF), Luis Chiriboga, disse nesta quarta-feira que a diretoria aceitou a renúncia do coordenador da seleção, Vinicio Luna, que esteve preso por tentativa de tráfico de pessoas.

- Ninguém pode desconhecer a capacidade de Luna. Ele esteve detido durante um ano, tinha direito ao trabalho, e a maioria da diretoria decidiu reincorporá-lo ao cargo. Mas esta decisão causou reações e, para que o futebol equatoriano volte a estar unido, aceitamos sua renúncia, disse Chiriboga.

O diretor descartou que existissem compromissos pessoais com o ex-coordenador no momento de reincorporá-lo ao cargo. A decisão da saída foi anunciada ontem, mas oficializada apenas nesta quarta-feira.

Luna foi solto há 15 dias, após um ano na prisão, pela tentativa de tráfico de pessoas através da seleção, descoberta em março do ano passado.

A decisão da maioria dos dirigentes da federação trouxe reações até mesmo do presidente do país, Rafael Correa, que criticou o retorno de Luna à seleção.

Após a saída, o chefe de imprensa da Federação, Pedro Muñoz, voltará a ser o coordenador interino da seleção, cargo que já ocupou durante a Copa do Mundo do ano passado, na Alemanha. Víctor Mestanza retorna ao departamento de imprensa.