Treinadores alemães venceram a final da Liga dos Campeões nos últimos anos

.

Foto: Ben Stansall / AFP
Credit...Foto: Ben Stansall / AFP

A final da Liga dos Campeões, que terá lugar no dia 29 de maio, no Porto, em Portugal, no estádio do Dragão, é como sempre o principal evento do futebol do ano na Europa. Sim, talvez em todo o mundo. Uma espécie de cereja no bolo coroando a temporada. Logo após o fim dos campeonatos nacionais.

Desta vez, duas equipes inglesas se enfrentam no jogo decisivo: o londrino Chelsea e o Manchester City, da cidade de mesmo nome. Além disso, a final do segundo torneio de clubes mais importante da Europa também contará com uma equipe da Premier League inglesa. E o mais interessante é que também é de Manchester. O inimigo jurado do City é o Manchester United, de acordo com a mídia.

Por décadas, o Citizens (como é chamado o City) tem estado à margem, e os torcedores do United têm sido condescendentes com seus oponentes. E não havia tantos na cidade. Mas depois de 13 anos, um grupo de bilionários árabes adquiriu a Mancity, a situação começou a mudar.

No início, os “habitantes da cidade” foram aos poucos assumindo as primeiras posições no campeonato nacional e ultrapassando os adversários por lá. E então, é claro, sob a infusão de bilhões, o apetite dos chefes árabes começou a crescer, o elenco do time tornou-se um dos mais fortes do mundo, foi convidado o técnico Pep Guardiola, que venceu tudo com o Barcelona. E agora os donos querem levar o principal troféu da Europa. É interessante que ambos os troféus de clubes resultantes, tanto para a Champions League como para a Europa League, possam ser registrados na mesma cidade - Manchester para o próximo ano.

Já o Chelsea é propriedade do oligarca russo Abramovich. Mas ele adquiriu o time há muito tempo, até vendeu parte das ações, e seu time já havia levado o troféu principal. Mas quem se recusaria a fazer isso de novo? Além disso, à frente dos "aristocratas" (como é chamado o clube londrino) na ponte dos treinadores está um especialista ambicioso, o alemão Thomas Tuchel, que também sonha com o sucesso europeu. Na temporada passada, seu ex-clube, o Paris Saint-Germain, chegou à final, mas perdeu para o Bayern de Munique (0-1). E aqui está uma segunda tentativa.

Outro momento curioso. Pelo terceiro ano consecutivo, os treinadores alemães participaram da principal partida da temporada. É inegavelmente a melhor escola de coaching do mundo no momento. Julgue por si mesmo. Em 2019, a Champions League foi conquistada pelo Liverpool, cujo mentor é o alemão Jurgen Klopp. Na última temporada, dois alemães se enfrentaram na final. O "Bayern" foi liderado pelo especialista local Hans-Dieter Flick, e o PSG, pelo já mencionado Tuchel. E aqui novamente o alemão na final. E embora Mancity seja considerado o favorito, você não pode fugir das estatísticas. Nos últimos anos, a Liga dos Campeões foi conquistada por times liderados por treinadores alemães.

Pois bem, quanto à cidade onde acontecerá a final, foi escolhida Porto em vez de Istambul, já que o regime de rígidas restrições foi estendido na Turquia em 17 de maio. E Portugal pertence à categoria de países "verdes", e seis mil adeptos de cada equipe inglesa vão poder ir ao Porto. Afinal, realizar tal jogo com os espectadores era um dos principais desejos e condições da UEFA. Além disso, a Europa está gradualmente voltando à vida normal. E no futebol, nos campeonatos espanhol e inglês, eles já podem jogar. A final da FA Cup em Wembley já passou com eles.

Portanto, os fãs do Reino Unido poderão chegar à final e a emoção aumentou. Segundo o DailyMail, os bilhetes para Portugal de Londres e Manchester, apesar da forte subida do preço, já se encontram esgotados pelos adeptos das equipas!

“Acho que o Manchester City deve vencer. Minha previsão é de 3: 1 a seu favor!”, disse Shawn Wright-Phillips, ex-jogador da Inglaterra e atacante do Chelsea, em entrevista ao British Gambler.

Em geral, todo jogador de futebol sonha em disputar a final da Champions League! E o mais importante, é ótimo que os fãs estejam presentes no jogo. Afinal, o futebol está morto sem eles!