Pellegrini confirma aposentadoria após Jogos 2020

Os dois maiores nomes da natação italiana na atualidade, Federica Pellegrini e Gregorio Paltrinieri, conquistaram nesta quarta-feira (24) duas medalhas de ouro no Mundial de Esportes Aquáticos, que acontece em Gwangju, na Coreia do Sul.
Considerada por muitos como a maior nadadora da história da Itália, a veterana Pellegrini, de 29 anos, subiu ao alto do pódio em sua prova mais forte, os 200m nado livre, ao fazer um tempo de 1m54s22.
A "Divina" superou a australiana Ariarne Titmus (1m54s66) e a sueca Sarah Sjostrom (1m54s78) e conquistou seu quarto título mundial na prova, o segundo consecutivo. "Ainda não acredito, nunca imaginaria o ouro", comemorou Pellegrini, que se disse "infinita".
Ela chegou a falar em aposentadoria após terminar os 200m nas Olimpíadas do Rio de Janeiro, em 2016, em quarto lugar, mas com o bicampeonato mundial mostra que chegará entre as favoritas nos Jogos de Tóquio, em 2020.
Segundo Pellegrini, as próximas serão suas últimas Olimpíadas.
"Estou contente com minha forma e feliz pela medalha. É um belíssimo mundial, e estou contente, uma vez que é o último. O próximo ano será o último e terminará com as Olimpíadas", acrescentou.
Em sua carreira, a italiana tem duas medalhas olímpicas, sendo uma de prata (2004) e uma de ouro (2008), e 11 em mundiais (seis de ouro, quatro de prata e uma de bronze).
Paltrinieri - O outro ouro italiano do dia no Mundial de Esportes Aquáticos foi conquistado por Gregorio Paltrinieri, que terminou os 800m nado livre na primeira posição, com 7m39s27, à frente do norueguês Henrik Christiansen (7m41s28) e do francês David Aubry (7m42s08).
O tempo obtido pelo italiano é o novo recorde europeu da prova.
"Estou muito contente, foi uma bela disputa", celebrou o nadador. Aos 24 anos, Paltrinieri faturou sua sétima medalha em mundiais e já acumula três ouros, duas pratas e dois bronzes.
Ele também foi campeão olímpico no Rio de Janeiro nos 1500m nado livre.