Brasil pegará a Sérvia na semi do Mundial de Vôlei; Itália vence, mas dá adeus

Poucas horas após superar os Estados Unidos por 3 sets a 0, com parciais de 25/20, 25/18 e 25/19, nesta sexta-feira, em Turim, a seleção brasileira soube que a Sérvia será a sua adversária na semifinal do Mundial Masculino de Vôlei. A rival foi definida após o confronto no qual a Itália superou a Polônia por 3 sets a 2, com 14/25, 25/21, 18/25, 25/17 e 15/11, mas acabou sendo eliminada no fechamento da terceira fase da competição.

Apesar da derrota, os poloneses garantiram a liderança do Grupo J, com quatro pontos, enquanto os sérvios terminaram em segundo lugar, com três, enquanto os donos da casa somaram apenas dois pontos. Como líder do Grupo I, com cinco pontos, o Brasil encara o vice-líder da outra chave, enquanto os poloneses terão pela frente os norte-americanos, que ficaram em segundo lugar na chave dos brasileiros, com três pontos - a Rússia, com apenas um ponto, foi eliminada como lanterna.

O jogo entre Brasil e Sérvia abrirá a semifinal neste sábado, às 12 horas (de Brasília), em Turim, onde em seguida o duelo Polônia x Estados Unidos definirá o outro finalista da competição a partir das 16h15. Próximos rivais dos brasileiros, os sérvios haviam sido superados por 3 a 0 pelos poloneses na quinta-feira, mas na quarta estrearam na terceira fase com um surpreendente triunfo por 3 a 0 sobre a Itália.

Antes de saber qual seria o próximo adversário dos brasileiros neste sábado, o oposto Evandro, maior pontuador do jogo contra os norte-americanos, com 19 acertos, exibiu confiança no sucesso do time comandado por Renan Dal Zotto na semifinal. Ele deixou isso claro ao comentar o fato de que a equipe dos EUA, escalada cheia de reservas, acabou sendo batida com facilidade pelo Brasil nesta sexta.

"Com as duas seleções já classificadas, tivemos a possibilidade de usar os jogadores que atuam menos, considerados reservas, e, mais uma vez, conseguimos mostrar nosso valor. O Brasil está muito bem, então, eles precisam entrar com um time um pouco mais forte para conseguir um resultado favorável diante da nossa seleção", afirmou Evandro.

"Além disso, eles cometeram muitos erros durante a partida, conseguimos tirar proveito disso, sacamos e bloqueamos bem e fizemos a nossa virada de bola da maneira ideal. Nosso jogo entrou, funcionou e, por isso, conseguimos essa vitória um pouco mais tranquila", completou o jogador, por meio de declarações reproduzidas pela Confederação Brasileira de Vôlei (CBV).

O capitão Bruninho, que acabou sendo um dos poupados do confronto desta sexta, elogiou também a força de todo o grupo da seleção - o time nacional entrou em quadra já classificado para as semifinais, o que foi garantido com vitória dos norte-americanos sobre a Rússia na quinta-feira.

"Nosso ponto forte é ter um time completo, contar com 14 jogadores que podem entrar e fazer a diferença. É difícil apontar um time titular ou reserva e o mais importante é que todos tenhamos ritmo de jogo. Amanhã (sábado) estarão todos voando e quem entrar em quadra vai dar o máximo. Esse é um time muito homogêneo", enfatizou o levantador.