Busquets renova com o Barça até 2023 e a sua multa rescisória sobe para R$ 2,3 bi

O Barcelona anunciou oficialmente nesta quinta-feira que acertou a renovação do contrato de Sergio Busquets até 30 de junho de 2023. O acordo anterior com o volante iria expirar em 2021, mas foi prorrogado por mais duas temporadas e o novo vínculo fez a sua multa rescisória subir de 200 milhões de euros (cerca de R$ 953 milhões) para 500 milhões de euros (aproximadamente R$ 2,3 bilhões).

O meio-campista de 30 anos estreou pelo time profissional do Barça na temporada 2008/2009 do futebol europeu e ajudou a equipe a conquistar nada menos do que 28 títulos: foram três taças da Liga dos Campeões, outras três do Mundial de Clubes da Fifa, sete do Campeonato Espanhol, seis da Copa do Rei, seis da Supercopa da Espanha e três da Supercopa da Europa.

Atual segundo capitão do time catalão, Busquets acumula 490 partidas disputadas e 13 gols marcados com a camisa do clube, que enalteceu as qualidades do jogador ao oficializar a renovação do seu contrato.

"Inteligência, equilíbrio e visão de jogo. As características de Sergio são infinitas. O trabalho do '5' culé é assimétrico na defesa e no ataque. O meio-campista azul e grená não somente é importante em tarefas defensivas, mas também nas ofensivas. Seu excelente posicionamento no campo o permite ser um 'polvo' defensivo, mas também construir e distribuir o jogo com critério. Porque sempre opta pelo passe correto e o que dá vantagem ao seu companheiro. A bola nos pés de Sérgio está afinada. E Busquets faz tudo com uma sensibilidade extraordinária", ressaltou o Barça, por meio de comunicado divulgado em seu site oficial.

Velha referência no meio-campo do Barcelona, Busquets também se firmou como peça importante da seleção espanhola, com a qual foi campeão do mundo em 2010, na Copa da África do Sul, e faturou a Eurocopa de 2012, realizada na Polônia e na Ucrânia.

Após 11 temporadas atuando pelo Barça, o meio-campista é o terceiro jogador com mais títulos na história do clube. Só fica atrás do argentino Lionel Messi, recordista, com 33 troféus, e do ídolo espanhol Andrés Iniesta, que tem 32 e após a temporada passada se despediu da equipe e foi jogar no futebol japonês.