Jornal do Brasil

Esportes

Alívio e desespero: Flu domina, Digão marca e Rodolfo pega pênalti para garantir vitória no Clássico Vovô

Jornal do Brasil

Foi mais emocionante do que muitos esperavam. E além do que o público minúsculo de 10.969 torcedores e o péssimo gramado do Maracanã sugeriam. Melhor desde o primeiro minuto, o Fluminense venceu o Botafogo por 1 a 0, com gol de Digão, e chegou à confortável marca de 31 pontos, pegando o elevador para a nona posição do Campeonato Brasileiro.

Herói improvável, Rodolfo entrou no lugar do lesionado Júlio César no intervalo e defendeu pênalti de Rodrigo Lindoso perto do fim. “Quando cheguei ao Fluminense, falei que fui ao fundo do poço e saí de lá. Defender um pênalti num clássico, com todo mundo te olhando e gritando seu nome, chega a arrepiar”, emocionou-se o goleiro, ao lembrar de quando foi pego no doping por uso de cocaína em 2012.

Macaque in the trees
Fluminense derrota o Botafogo (Foto: Lucas Merçon/ FFC)

Alívio de um lado, desespero do outro. O Botafogo se viu dominado na maior parte do Clássico Vovô, e desperdiçou as poucas oportunidades que teve. Com quatro derrotas em sete rodadas sob o comando de Zé Ricardo, o alvinegro corre sérios riscos. À beira da zona de rebaixamento, está a apenas dois pontos do Sport, 17º colocado.

“Momento sensível, de pressão, mas faz parte da nossa profissão. Tem que ter equilíbrio, calma e solucionar os problemas em casa. Hoje foi clássico, o Fluminense foi melhor no primeiro tempo, mas no segundo fomos mais ativos”, minimizou Zé Ricardo.

Domínio e gol

Elétrico, o tricolor iniciou a partida em um ritmo muito mais acelerado. Pela esquerda, Ayrton Lucas e Everaldo eram um tormento para Marcinho. O lateral alvinegro sofreu até ser substituído por Luís Ricardo na etapa final. Sem deixar o rival respirar, o Fluminense transformou o domínio em gol aos 11. Em sobra de escanteio, Everaldo mandou de bicicleta para o meio e Digão completou com o bico da chuteira.

O Botafogo acordou e deu boa dose de equilíbrio ao clássico, que até então era ataque contra defesa. Após boas chegadas sem, no entanto, acertar a meta tricolor, o alvinegro parou em Júlio César aos 43 e aos 44. Primeiro, num chute de fora da área de Lindoso; depois, em cabeçada de Kieza à queima-roupa.

Por dores nas costas, Júlio César deu lugar a Rodolfo no intervalo. Sem jogar desde março,

ele era mero espectador da partida até Ayrton cortar cruzamento de Erik com o braço, já aos 40 minutos. Brilhou a estrela do reserva, que defendeu a cobrança de Lindoso no canto esquerdo para assegurar a primeira vitória do Fluminense em um clássico no campeonato.

No abafa final, foi o Flu quem mais esteve perto de marcar. Livre na pequena área após passe de Richard, Jadson demorou a chutar e perdeu a chance do segundo nos acréscimos.

Fluminense: Júlio César (Rodolfo), Léo, Gum, Digão e Ayrton Lucas; Richard, Jadson, Dodi e Luciano (Marcos Júnior); Everaldo (Matheus Alessandro) e Kayke. Botafogo: Saulo, Marcinho (Luís Ricardo), Marcelo, Igor Rabello e Moisés; Rodrigo Lindoso, Matheus Fernandes (Rodrigo Pimpão) e Gustavo Bochecha; Erik, Kieza e Luiz Fernando (Brenner). Juiz: Leandro Pedro Vuaden (RS). Cartões amarelos: Luciano, Digão, Ayrton Lucas, Marcelo, Marcinho, Moisés e Erik.



Recomendadas para você