Rubro-negro na luta pelo bicampeonato

Antes de estrear no hexagonal da Liga Sul-Americana, o Flamengo tem pela frente mais um desafio pelo NBB (Novo Basquete Brasil), domingo, contra o Vitória, no Rio.

Como bem definiu Marcelinho, o jogo será uma espécie de aquecimento para o duelo com os argentinos.

Aliás, entrega o ala-armador, em quadra, a catimba é a mesma.

Assim, a vontade de vencer também é grande.

– Mas nós sabemos catimbar também – adverte o ala.

– Sempre que enfrentamos eles aqui pela Seleção, ganhamos.

O Boca, assim como no futebol, é uma equipe de bastante tradição.

Basta lembrar que há duas temporadas, os times fizeram a semifinal da mesma competição.

Depois de perder em Buenos Aires, o Flamengo venceu os dois confrontos seguintes no Tijuca Tênis Clube, eliminando o rival.

– Eles têm, sim, muita tradição no basquete.

Pode ser que este ano não estejam atravessando o melhor momento tecnicamente.

Mas impõem respeito – observa Marcelinho.

O Flamengo luta pelo bicampeonato sul-americano.

A diretoria do clube rubro-negro, depois de alto investimento, brigou pelo direito de sediar as finais.

Teve o apoio irrestrito da Associação de Basquete Sul-Americana (Abasu), presidida pelo brasileiro Gerasime Bozikis, o Grego.

Continua na página seguinte.

RECUPERAÇÃO – Duda, em fase final de tratamento da torção no tornozelo direito, voltará somente nos jogos da Liga Sul-Americana.