Jornais italianos repudiam atitude do Brasil; ex-jogador ataca

A imprensa italiana repercute de forma negativa a postura da Seleção Brasileira na derrota por 3 sets a 0 diante da Bulgária, em Ancona, pelo Mundial de Vôlei. Principal veículo esportivo do país, o jornal Gazzeta dello Sport usou o termo "farsa" para se referir ao jogo do último sábado, em que Bernardinho escalou o oposto Théo improvisado na posição de levantador, alegando indisposição do titular Bruninho por conta de uma gripe. A publicação acusa os brasileiros de terem forçado uma derrota para cair em um grupo mais fácil na fase seguinte da competição.

"Brasil e Bulgária se torna uma farsa" afirma a Gazzeta em sua chamada principal. Ilustrada com uma foto do oposto Theo, a matéria adota um tom crítico e sugere que "se era para o Brasil entrar para perder, o melhor seria que não tivesse jogado". O texto destaca, ainda, os gritos de "palhaçada" e os protestos da torcida presente no ginásio.

Em entrevista ao jornal, o argentino Julio Velasco, atual treinador da Espanha e comandante da Itália nos títulos dos Mundiais de 1990 e 1994, lamentou o exemplo dado pelos brasileiros.

"Em toda a minha vida sempre joguei para vencer, porque penso que não se pode passar uma mensagem negativa", condenou o técnico.

Outra personalidade do esporte a comentar o ocorrido foi o ex-jogador Andrea Vorizi, que assina uma coluna no Gazzeta dello Sport.

No seu artigo deste domingo, ele se mostrou decepcionado: "os times viviam um dilema se entravam em quadra para perder, para enfrentar um melhor caminho, ou se jogavam o seu máximo. Com o estômago embrulhado, eu esperei que em um algum momento os campeões deixassem de ser mecânicos e passassem a jogar", admitiu, se referindo aos brasileiros.

Vorizi declarou que o jogo prejudicou a sua admiração pela Seleção e deu a entender que torcerá contra os comandados de Bernardinho no restante do torneio.

"No fim, uma vitória no Mundial, seria uma recompensa (por tudo que o Brasil fez)? Com o terceiro título mundial os brasileiros conquistarão o respeito que eu tinha quando os enfrentei? Eu sei que a culpa é desta fórmula (o regulamento do campeonato), mas Bernardinho e seus fantásticos atletas tiveram a oportunidade de dar uma lição a todos, vencer Cuba, Rússia e todos que passassem pela frente. Falo só do Brasil porque ele é o campeão do mundo, vice olímpico, um modelo a se seguir", disse o ex-jogador.