Bolsonaro chama Comissão de Direitos Humanos de instituição "com viés de esquerda"

Durante entrevista no Roda Viva, programa da TV Cultura, nesta segunda-feira (30), Jair Bolsonaro (PSL) chamou a Comissão Interamericana de Direitos Humanos de instituição "com viés de esquerda". A CIDH condenou o Estado brasileiro pelo assassinato do jornalista Vladimir Herzog durante o período da ditadura militar.

O Ministério Público Federal (MPF) em São Paulo reabriu nesta segunda-feira (30) as investigações sobre o assassinato do jornalista Vladimir Herzog, ocorrido em 1975, durante a ditadura militar no Brasil. A reabertura foi possível após a condenação do Estado brasileiro na Corte Interamericana de Direitos Humanos (CIDH), da Organização dos Estados Americanos (OEA), no início deste mês, pela falta de investigação, julgamento e sanção dos responsáveis pela tortura e assassinato do jornalista.

>> "Não houve golpe militar em 1964", afirma Bolsonaro

>> Em entrevista, Bolsonaro diz que vai reduzir cotas raciais: "Por que não estudam?"

Aos 38 anos, Herzog apresentou-se de forma voluntária para depor perante autoridades militares no Destacamento de Operações de Informação - Centro de Operações de Defesa Interna (DOI/Codi). Foi preso, interrogado, torturado e morto no local. Na época, o jornalista foi declarado morto em consequência de “suicídio”, versão contestada por sua família desde o início.

Tortura

Ao ser indagado sobre tortura, o presidenciável do PSL foi enfático: "De acordo com a nossa Constituição, ninguém poderá ser declarado culpado sem uma sentença transitada em julgado. Nós abominamos a tortura. Naquele momento [o período da ditadura militar], o mundo vivia um clima bastante complexo por causa da Guerra Fria. Esse pessoal que se disse torturado é uma forma que eles usavam para conseguir indenização, votos e poder", disparou.