Eleição: Crivella sai na frente em primeiro debate, diz analista

Para professor da UFRJ Paulo Baía, candidato "falou para todos”

O debate realizado pela Band Rio, na noite desta sexta-feira (8), teve como vencedor o candidato Marcelo Crivella (PRB). A avaliação é do professor de Ciências Sociais da UFRJ Paulo Baía. Ele acompanhou o debate como comentarista da Band News FM, e afirmou que o candidato líder das pesquisas “fez o debate do jeito que quis”.

“Marcelo Freixo (Psol) iniciou o debate de forma mais combativa, mas as respostas iniciais do Crivella o fizeram recuar. O debate não teve muito atrito entre os candidatos. No início, Freixo acusou o adversário de alimentar ataques contra ele nas redes sociais, mas não foi muito longe com isso.” Para Paulo Baía, foi um debate de propostas, em que Crivella conseguiu usar o tempo de televisão de maneira mais efetiva, falando de forma clara e objetiva. “Ele pareceu se comunicar com todo tipo de eleitor, enquanto Freixo parecia tentar apresentar muita coisa ao mesmo tempo.”

>> Crivella e Freixo fazem primeiro debate do segundo turno 

>> Como Crivella e Freixo vão conquistar indecisos na reta final

Para o professor, Crivella não falou para convertidos, falou para todos. “Ele demonstrou mais segurança no debate, enquanto baseou seus discursos em pesquisas qualitativas, entendendo as vontades do eleitor. Dessa forma, puxou o discurso para o que está em sintonia com as pesquisas. Disse o que a população quer ouvir, não o que necessariamente deve ou pode ser feito. Agradou à maioria.”

Já Freixo teria sido excessivamente acadêmico. “Ele contou histórias que não cabem no tempo da televisão, como a origem do nome ‘favela’. É bom lembrar que o tempo já era reduzido para apresentar suas propostas, que são complexas, segundo ele mesmo. Ele parecia apresentar suas ideias para uma sala de aula, e não para um eleitorado.”

Paulo Baía concluiu sua análise explicando que não houve muito diálogo ou embates entre eles, nem apontamentos de possíveis incoerências de ambas as partes. “Os dois falavam para o seu próprio público. A diferença é que, enquanto Freixo falava apenas com seus eleitores, Crivella falou com seus eleitores e com todos os outros. Acho que os dois conseguiram expressar suas ideias, mas para o ouvinte de rádio e para o telespectador, o Crivella se saiu melhor.

* do projeto de estágio do JB